HORA DO CONTO – CHAPEUZINHO AMARELO – III

Finalizando…

“Mas o engraçado é que,
assim que encontrou o LOBO,
a Chapeuzinho Amarelo
foi perdendo aquele medo:
o medo do medo do medo do medo que tinha do LOBO.
Foi ficando só com um pouco de medo daquele lobo.
Depois acabou o medo e ela ficou só com o lobo.

O lobo ficou chateado de ver aquela menina olhando pra cara dele,
só que sem o medo dele.
Ficou mesmo envergonhado, triste, murcho e branco-azedo,
porque um lobo, tirado o medo, é um arremedo de lobo.
É feito um lobo sem pÊlo.
Um lobo pelado.

O lobo ficou chateado.

Ele gritou: sou um LOBO!
Mas a Chapeuzinho, nada.
E ele gritou: EU SOU UM LOBO!!!
E a Chapeuzinho deu risada.
E ele berrou: EU SOU UM LOBO!!!!!!!!!!
Chapeuzinho, já meio enjoada, com vontade de brincar de outra coisa.
Ele então gritou bem forte aquele seu nome de LOBO umas vinte e cinco vezes,
Que era pro medo ir voltando e a menininha saber com quem não estava falando:
LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO

Aí, Chapeuzinho encheu e disse:
“Pára assim! Agora! Já! Do jeito que você tá!”
E o lobo parado assim, do jeito que o lobo estava, já não era mais um LO-BO.
Era um BO-LO.
Um bolo de lobo fofo, tremendo que nem pudim, com medo de Chapeuzim.
Com medo de ser comido, com vela e tudo, inteirim.

Chapeuzinho não comeu aquele bolo de lobo, porque sempre preferiu de chocolate.
Aliás, ela agora come de tudo, menos sola de sapato.
Não tem mais medo de chuva, nem foge de carrapato.
Cai, levanta, se machuca, vai à praia, entra no mato,
Trepa em árvore, rouba fruta, depois joga amarelinha,
Com o primo da vizinha, com a filha do jornaleiro,
Com a sobrinha da madrinha
E o neto do sapateiro.

Mesmo quando está sozinha, inventa uma brincadeira.
E transforma em companheiro cada medo que ela tinha:
O raio virou orrái;
barata é tabará;
a bruxa virou xabru;
e o diabo é bodiá.

FIM

( Ah, outros companheiros da Chapeuzinho Amarelo: o Gãodra, a Jacoru, o Barão-tu, o Pão Bichôpa…
E todos os tronsmons. )”

🙂

17 comentários sobre “HORA DO CONTO – CHAPEUZINHO AMARELO – III

  1. HORA DO CONTO – CHAPEUZINHO AMARELO – IIIPosted in Diversão at 01:41 by Karina

    Finalizando…

    “Mas o engraçado é que,
    assim que encontrou o LOBO,
    a Chapeuzinho Amarelo
    foi perdendo aquele medo:
    o medo do medo do medo do medo que tinha do LOBO.
    Foi ficando só com um pouco de medo daquele lobo.
    Depois acabou o medo e ela ficou só com o lobo.

    O lobo ficou chateado de ver aquela menina olhando pra cara dele,
    só que sem o medo dele.
    Ficou mesmo envergonhado, triste, murcho e branco-azedo,
    porque um lobo, tirado o medo, é um arremedo de lobo.
    É feito um lobo sem pÊlo.
    Um lobo pelado.

    O lobo ficou chateado.

    Ele gritou: sou um LOBO!
    Mas a Chapeuzinho, nada.
    E ele gritou: EU SOU UM LOBO!!!
    E a Chapeuzinho deu risada.
    E ele berrou: EU SOU UM LOBO!!!!!!!!!!
    Chapeuzinho, já meio enjoada, com vontade de brincar de outra coisa.
    Ele então gritou bem forte aquele seu nome de LOBO umas vinte e cinco vezes,
    Que era pro medo ir voltando e a menininha saber com quem não estava falando:
    LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO

    Aí, Chapeuzinho encheu e disse:
    “Pára assim! Agora! Já! Do jeito que você tá!”
    E o lobo parado assim, do jeito que o lobo estava, já não era mais um LO-BO.
    Era um BO-LO.
    Um bolo de lobo fofo, tremendo que nem pudim, com medo de Chapeuzim.
    Com medo de ser comido, com vela e tudo, inteirim.

    Chapeuzinho não comeu aquele bolo de lobo, porque sempre preferiu de chocolate.
    Aliás, ela agora come de tudo, menos sola de sapato.
    Não tem mais medo de chuva, nem foge de carrapato.
    Cai, levanta, se machuca, vai à praia, entra no mato,
    Trepa em árvore, rouba fruta, depois joga amarelinha,
    Com o primo da vizinha, com a filha do jornaleiro,
    Com a sobrinha da madrinha
    E o neto do sapateiro.

    Mesmo quando está sozinha, inventa uma brincadeira.
    E transforma em companheiro cada medo que ela tinha:
    O raio virou orrái;
    barata é tabará;
    a bruxa virou xabru;
    e o diabo é bodiá.

    FIM

    Curtir

  2. Meu pai me contava a história da chapeuzinho amarelo, depois azul e depois verde…a gente ia inventando a história! era bem divertido… Obrigada pelo seu limão lá no Limonada… vamos fazer outras! Beijo! Ciça

    Ciça | Email | Homepage | 08-10-2003 22:32:23

    Ai, que amor essa historinha….adorei!!!!! É isso mesmo: o lance é enfrentar os medos e depois rir deles. beijins insanos e uma ótima semana pra ti

    Cacau | Email | Homepage | 05-10-2003 22:23:54

    Muito show essa viagem!!!!!! Adorei, Falmada!

    Carla | Email | 05-10-2003 05:08:59

    Q interessante, miga! Adorei ler estes últimos posts 🙂 mil beijinhos, já estava com saudades daki.

    Sabina | Homepage | 04-10-2003 21:20:25

    E agora, o que acontece? Seu blog é show.

    Joel | 04-10-2003 07:21:11

    Curtir

  3. Obrigada, estou procurando esta história para continuar o trabalho com meus alunos, mas nenhum site tinha a hsitória inteira.
    Conclui o trabalho com a história Chapeuzinho Vermelho, agora mostrarei a história Chapeuzinho Amarelo e depois Fita verde no cabelo de Guimarães Rosa, aqui vai uma dica pra vc, colocar a história Fita verde para as pessoas conhecerem ou apreciarem.
    Sorte sempre!

    Curtir

  4. Legal,goestei, pois você dividiu a história em três partes e eu pude divir os meus alunos em três equipes.A tramatização em sala de aula ficou interessante.Gostaria de fazer um unico pedido, ” seria possível aumentar o tamanho da letra?”

    Curtir

  5. “Mas o engraçado é que,
    assim que encontrou o LOBO,
    a Chapeuzinho Amarelo
    foi perdendo aquele medo:
    o medo do medo do medo do medo que tinha do LOBO.
    Foi ficando só com um pouco de medo daquele lobo.
    Depois acabou o medo e ela ficou só com o lobo.

    O lobo ficou chateado de ver aquela menina olhando pra cara dele,
    só que sem o medo dele.
    Ficou mesmo envergonhado, triste, murcho e branco-azedo,
    porque um lobo, tirado o medo, é um arremedo de lobo.
    É feito um lobo sem pÊlo.
    Um lobo pelado.

    O lobo ficou chateado.

    Ele gritou: sou um LOBO!
    Mas a Chapeuzinho, nada.
    E ele gritou: EU SOU UM LOBO!!!
    E a Chapeuzinho deu risada.
    E ele berrou: EU SOU UM LOBO!!!!!!!!!!
    Chapeuzinho, já meio enjoada, com vontade de brincar de outra coisa.
    Ele então gritou bem forte aquele seu nome de LOBO umas vinte e cinco vezes,
    Que era pro medo ir voltando e a menininha saber com quem não estava falando:
    LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO

    Aí, Chapeuzinho encheu e disse:
    “Pára assim! Agora! Já! Do jeito que você tá!”
    E o lobo parado assim, do jeito que o lobo estava, já não era mais um LO-BO.
    Era um BO-LO.
    Um bolo de lobo fofo, tremendo que nem pudim, com medo de Chapeuzim.
    Com medo de ser comido, com vela e tudo, inteirim.

    Chapeuzinho não comeu aquele bolo de lobo, porque sempre preferiu de chocolate.
    Aliás, ela agora come de tudo, menos sola de sapato.
    Não tem mais medo de chuva, nem foge de carrapato.
    Cai, levanta, se machuca, vai à praia, entra no mato,
    Trepa em árvore, rouba fruta, depois joga amarelinha,
    Com o primo da vizinha, com a filha do jornaleiro,
    Com a sobrinha da madrinha
    E o neto do sapateiro.

    Mesmo quando está sozinha, inventa uma brincadeira.
    E transforma em companheiro cada medo que ela tinha:
    O raio virou orrái;
    barata é tabará;
    a bruxa virou xabru;
    e o diabo é bodiá.

    FIM

    ( Ah, outros companheiros da Chapeuzinho Amarelo: o Gãodra, a Jacoru, o Barão-tu, o Pão Bichôpa…
    E todos os tronsmons. )”

    adorei essa historia mas seria melhor com videos ou imagens pra gente vizualizar

    Curtir

  6. Era uma vez a chapeuzinho amarelo medrosa, medrosa e medrosa, não sai da cama porque tinha medo de cair, não descia escada com medo de se quebrar, não abria a geladeira porque tinha medo de se congelar, não comia pra não se engasgar, não tomava refrigerante pra não ser infectada com mijo de rato, não estudava com medo de seu cerebro estourar, não brinca de computador com medo de pegar choque, não se mechia com medo de quebrar o osso, não dormia por caso dos pesadelos que podia ter de vezes em quando, não tomava banho com medo de se afoga e não escova o dente com medo de quebrar o dente com a escova, essa é a chapeuzinho vermelho que a chapeuzinho amarelo não conseguiu contar UM TRAUMA DE INFANCIA

    Curtir

Deixe uma resposta para Ana Paula Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s