POSSIBILIDADES

POSSIBILIDADES

Tenho sentido uma enorme necessidade de escrever. Um comichão. Na verdade, não é só escrever. É pintar, conversar, cozinhar, mexer nos armários, comprar coisas novas, mudar o cabelo, vestir algo vermelho, estar perto de gente e ao mesmo tempo ficar quieta no meu canto. No meio de tudo isso, escrever é uma das melhores coisas pra se fazer. Tenho começado vários posts, sem terminar nenhum. Sem falar nas páginas arrancadas dos meus caderninhos de anotações. Tentei falar da ridícula prisão do Saddam. Do Blogger e as novas regras. Da minha cidade, que está pra fazer aniversário. Do caso dos juízes corruptos. Do Natal. Do Ano-Novo. Das férias. Das micagens dos amigos-secretos deste ano. Da programação da TV. Do Retorno do Rei. Da discussão acerca da redução da maioridade penal. E mais uma pá de coisas que andam rondando os meus pensamentos e as conversas perto de mim nesses dias.

Mas no fundo, não é nada disso. Não mesmo. A verdade é que eu quero mesmo é falar de romance. Sim, romance… Não há problemas em dizer que o que me falta é um romance. Aquele romance. Aquele que daqui um tempo vai chacoalhar a minha vida. Aquele romance que está começando a fazer falta e começa a pipocar em chances aqui, ali, acolá. A gente sabe, intuitivamente, quando algo interessante está pra acontecer, e sabe disso porque abre uma porta lá dentro. Não se trata de mais um pra beijar, amassar, pegar e mandar embora depois, isso é fácil. Não se trata também de recaídas de casos antigos, isso também é fácil. E nem de um namorado só pra marcar presença como aquele que eu arrumei há um tempinho, isso é mais fácil ainda. Não é nada disso. É romance de verdade, mesmo. Com R maiúsculo. Daqueles que a gente vive com corpo, alma, coração, tempo, tudo e mais um pouco, e torce pra durar pra sempre, de tão bom que ele é. Daqueles que fogem dos planos e quebram a nossa crista de moça segura, moderna e fria. E se, por um infortúnio do destino ou por incompetência emocional, vier a acabar… É daqueles romances que a gente lembra suspirando, com um sorriso nos lábios e diz: “ah, esse foi um grande amor na minha vida”… Romance de verdade mesmo. Paixão da boa. Amor arrebatador. Tesão intenso. Amizade delicada. Companheirismo forte. Nitroglicerina pura. Aprendizado total. História pra contar. Leveza, carícia, choro, sorriso, beijo, conversa, desejo, filme, mão dada, manias, música preferida, ciúme, olho no olho, códigos secretos, intimidade, carinho, elogios, palavras, sonhos, planos, idéias, lingerie nova, datas especiais, vivências. Daquelas coisas que acontecem que mudam a vida da gente de uma maneira tão intensa e definitiva que você pode dizer sem pestanejar que você não é a mesma depois que conheceu o fulaninho. Enfim… Romance. E quem acha que não existe… Está enganado. Existe sim, que eu vi e senti, com esse coraçãozinho que o tempo há de aquietar um dia. E quero sentir de novo.

Hoje bem cedo estava observando Dory Fifonha, minha tartaruga, nadando no aquário dela. Entediada, tadinha. De um lado pro outro, batendo no vidro de vez em quando, subindo na plataforma, comendo, fingindo que me escuta quando eu falo com ela, dormindo. Quando tiro ela de lá, ela olha, olha… E fica parada, sem querer se mexer muito. Não tem nada que estava animando-a a andar por aí. Nada que a provocava.
Desde que o primeiro esposo dela morreu ( por descuido meu ), tinha escolhido por ela que ela não precisava de outro. Pra quê? Ela tinha a nós aqui de casa, e ainda é muito bebê pra pensar em acasalar. Achei melhor que ela ficasse sozinha, menos trabalho pra mim e mais conforto pra ela. Mas ela cansou, ou fui eu que cansei… Ou cansamos juntas. O fato é que ela parecia estar precisando de algo mais. Sei que ela não pensa, mas eu penso e fiquei chateada por ela. Ela aprendeu uma porção de coisas desde que chegou aqui, está espertinha, uma graça. Mas faltava algo pra ela.

Não é bom viver sozinha, não é bom de jeito nenhum. Pode ser que seja bom ter períodos de solidão, daqueles que todo mundo precisa pra aprender coisas sobre si mesmo. Mas isso é bem diferente de fazer da solidão uma constante, um vício cômodo; é diferente de fugir dos relacionamentos com medo dos machucadinhos. A Dory Fifonha precisava de um companheiro, mesmo que fosse só pra ficar nadando na direção contrária e pra esbarrar nela de vez em quando. O problema dela eu resolvi rapidamente indo até o pet shop e comprando um tartarugo pra ela, um Fifonho, de presente de Natal. Eles ainda estão tentando se entender. Mas é notável a mudança qualitativa de humor que ela sofreu. E olha que ela é só uma tartaruga, sem polegar opositor e cérebro pretensamente desenvolvido. E olha que só se passaram algumas horas desde que ele chegou.

E eu, no meu aquário… Tão seguro, tão cheio de pequenos prazeres… Tão meu, do jeitinho que eu construí. Ando nadando de um lado pro outro, aproveitando tudo que ele tem, e começo a não ver muita graça nisso. Falta alguém pra esbarrar em mim e me provocar. No meu aquário, as coisas estavam meio confusas, e era um bom jeito de fugir, me distrair. Eu estava atarefada, doente, cheia de problemas, dores de cabeça, ainda presa a casos de antes que não saíam do lugar. Descansei um pouquinho, praticamente sarei, resolvi algumas coisas, estou de férias, coloquei alguns pontos finais em conversas que não estavam levando a nada. E agora me sinto liberta por dentro. Liberta pra pensar na minha vida, pra sentir o meu tédio e pra querer algo que mude tudo de lugar, pra olhar pro alto e pra frente. Liberta pra sentir aquela vontade de amar de novo. Que sensação mais dúbia é essa. Se por um lado, ela é uma delícia de se sentir, algo que se assemelha a acordar de um sonho bom com vontade de realizá-lo… Por outro, é um tanto dolorida, porque vem acompanhada de ansiedades e medos que são chatinhos, como imagino que deva ser chato pra Fifonha ficar batendo a cabeça no vidro de vez em quando. Tsc.

Às vezes, dá uma preguiça pensar em recomeçar tudo de novo. Preguiça de conhecer alguém, arregalar os olhos praquelas qualidades impressionantes, ficar pensando onde ir, o que fazer, o que dizer, fuçar os defeitos, preguiça de fazer planos, colocando todos os seus amigos pra torcer por você, preguiça de tentar fazer dar certo, preguiça de tentar acertar o passo com o de outro estranho até ele deixar de ser estranho. Mas também sinto saudade… Saudade de ter um telefonema pra esperar, de sentir o coração disparar à revelia da minha vontade, saudade de ter o que contar pras amigas depois do final de semana, saudade de um cheiro que desperte os desejos mais depravados, saudade de beijo diferente na mesma boca, saudade de ficar pensando no que fazer pra deixar a outra pessoa feliz… Saudade daquela coisa de ter um colinho pra dormir depois de uma noite maravilhosa. Saudade de paixão. E aí, na balança, pesa mais a sensação gostosa de lembrar como é bom estar apaixonada do que os medinhos e comodismos. E é nessa hora, nessa hora exata que a porta se abre. E quando ela abre… Uma hora alguém acaba entrando.

E esse alguém? Fico imaginando como ele é. Não se trata de ficar montando um sonho impossível. Tem uma música do Cazuza que ele diz que, quem fica esperando alguém que caiba no seu sonho, não sabe amar. Já passei da fase de ficar tentando encaixar uma pessoa nas minhas expectativas, isso sempre acabou mal, hoje prefiro ir me apaixonando aos poucos pela pessoa de verdade que está ali comigo. Mas não dá pra evitar de fazer perguntas sobre o meu novo amor. Onde mora? O que ele faz? Usa óculos? Qual a cor do cabelo? Já conheço, ou nunca vi antes? Onde vamos nos encontrar? Tem alguma mania? Gosta de beijo na orelha? Tem família? Algum talento especial? Como ele sorri? Alto ou baixo? Mais velho ou mais novo? Magrinho ou gordinho? Vai chegar devagarinho, pisando em ovos, cuidadoso… Ou vai entrar com tudo, como um furacão? Será que já chorou muito por amor? O que gosta de fazer? Vai me entender facilmente, ou vai me dar trabalho? Gosta de sorvete de morango? É ciumento? Está afim de viver uma história bonita, ou ainda vai acordar pra isso? As possibilidades são imensas… Um leque infinito delas, combinadas de milhões e milhões de maneiras. As perguntas são muitas. E não posso evitar de fazê-las. E é muito gostoso essa coisa de ficar pensando nele antes mesmo dele existir concretamente. É uma forma de acarinhá-lo desde já… E de me preparar pra isso tudo. Uma forma de estar com ele antes de estar, e de chamá-lo pra perto de mim.

Devaneios tolos esses que as pessoas românticas vivem construindo. Tolos mesmo. Mas dane-se, é bom de sentir mesmo assim. E enquanto ele não vem… Ou enquanto eu não o enxergo… Vou cuidando de mim, porque só tem uma coisa melhor do que gostar de alguém – é gostar da gente mesma. E vida longa aos romances.

“Como esta noite findará,
E o sol então rebrilhará,
Estou pensando em você…
Onde estará o meu amor ?

Será que vela como eu ?
Será que chama como eu ?
Será que pergunta por mim?
Onde estará o meu amor ?

Se a voz da noite responder
Onde estou eu, onde está você,
Estamos cá dentro de nós –
Sós…
Onde estará o meu amor?

Se a voz da noite silenciar,
Raio de sol vai me levar –
Raio de sol vai lhe trazer…

Onde estará o meu amor?”

Chico César

Anúncios

Um comentário sobre “POSSIBILIDADES

  1. Poxa amiga, esse post ficou tuuudo!! Amei!! Esse seu template é meio pesadin num é?! Demora um poquin pra carregar, mas vale a pena!! Bjão!! =)

    Ragazza Pazza | 22-12-2003 22:23:33

    Pois eu leio cada palavra que você escreve e fico pensando comigo mesmo: mas como é que essa moça ainda está descompromissada? Mas você ainda há de encontrar o Fifonho da sua vida. 🙂 Em tempo, preciso do seu e-mail para lhe encaminhar minha mensagem de Desnatal! Um beijabraço!

    Inagaki | Email | Homepage | 22-12-2003 17:20:06

    Interessante como as pessoas se perguntam as mesmas coisas. Tb quero tudo isso, querida. E você tem razão: solidão vicia. E te torna exigente, chata, impaciente. Sei do que tou falando. Por isso, acho melhor arregaçarmos as mangas e ir à luta!!!! beijos, lindinha

    Cacau | Email | Homepage | 22-12-2003 16:41:31

    Posso falar? Preciso falar! Vou dizer assim mesmo. Esses dois se beijando não parece um pipi? Pronto falei. Minha linda, tu tá linkada! Um super beijo pra vc.

    Alê | Email | Homepage | 22-12-2003 15:46:16

    Mafalda, agradeço-te a visita! És a terceira mafalda lá no blog ( risos) ! Gostei bastante do texto e me identifiquei bastante. Sou dessas pessoas que precisa estra sempre apaixonada por algo ou alguém para não estar deprimida: um namorado, um texto, a profissão… E, usando uma frase do senso comum, mas não por isso menos sábia: o que é nosso está escrito. Mas não é mesmo? beijos, volte sempre ao meu mundo das águas…

    Pisciana | Homepage | 22-12-2003 12:29:25

    Te conheço de muitos carnavais atrás menina, nunca rolou nada a mais entre nós, sei lá pq, talvez pq vc seja mta areia pro meu caminhão :). Mas sempre penso, “q droga, pq pessoa tão legais como a Karina tem q ficar batendo a cabeça sofrendo, até achar alguém decente?”. Acho q é pq gente especial tem q ficar com gente especial, e isso não é mto fácil de encontrar, mas uma hora dá certo. Me animo em saber q vc quer ser feliz de novo, K, td de bom pra vc. E liga pro Fúlvio, ele dá uma de durão mas deve estar bebendo todas as cervejas da europa, eheheh… Bjo.

    Zé Mário | 21-12-2003 22:52:09

    Mafalda, fico impressionada. É tão parecido o que sinto! Como a Penélope falou, é bom não se sentir sozinha nesse sentido. Desejo tudo de bom pra vc, como desejo pra mim! 🙂 Tem uma coisa que eu sempre falo:” Tudo tem seu lado bom e seu lado ruim. Na minha opinião, o lado ruim de ter alguém é pior do que o lado ruim de não ter, mas o lado bom de ter alguém é mil vez melhor que o lado bom de não ter!!!” 🙂 Feliz Natal e Ano Novo!

    Carla | Email | 21-12-2003 18:41:39

    Mafalda, acabo de vir do link do blog da outra Mafalda, que é uma domadora de palavras. Que bom encontrar alguém com mesmo epíteto e alguém tão encantador quanto ela. Adoro essa mpusica do Chicoésar e acho que seu post denota a pessoa especial que vc é. Voltarei mais vezes, viu? Um beijo grde,

    Beta | Email | Homepage | 21-12-2003 14:13:30

    continua, comichão, continua…

    André | Homepage | 20-12-2003 21:20:20

    Posso deixar meu currículo para análise? :))) Infelizmente, como vc mesma costuma brincar, tem um OCeano Atlântico entre nós, caso contrário, teria o maior prazer em ser feliz do seu lado, mocinha… Todo mundo sabe, eu não escondo que vc é a garota mais adorável que eu já conheci na minha vida. E é por isso que, por mais que seja complicado, desejo mesmo que vc encontre alguém pra viver um amor lindo com vc. Seria merecido. :)))))))))))) Bjo carinhoso e especial…

    Ful | Email | 20-12-2003 19:43:47

    Eu queria ter esse seu dom de escrever! Vc sabe como colocar no papel aqueles sentimentos mais profundos… que muitas vezes ficam guardados la no fundinho com medo de brotar…. amiga, espero que o ano de 2004 seja melhor que o de 2003 e que nossa Turma do Monte Belo continue sendo gostosa e alegre! Esse ano tivemos bons momentos juntas! Obrigada pelo carinho e por aturar minhas histórias…

    Danny | 20-12-2003 19:25:31

    Olá. É a primeira vez que venho aqui. Bom, li os posts e me chamou a atenção essa passagem de um post que está lá pra baixo. * Eu queria muito ser menos caseira e gostar de coisas como baladas, shoppings e viagens. Você também pensa nisso de vez em quando? :/

    SlothSam | Email | Homepage | 20-12-2003 17:00:05

    Miga, mais uma vez li um post seu e me vi muitas linhas; penso como é bom não ser a única com esses sentimentos. Espero que logo possamos ser felizes de novo, embora eu não esteja deprê, essa solidão tá muito chata. Beijocas! PS. Parabéns a Dory pelo novo casamento, que sejam felizes por longos anos (e olha que as tartarugas podem viver até 300 anos). Que puxa, quando se completa 100 anos de casamento, são bodas de quê?!

    Penélope Charmosa | Email | Homepage | 20-12-2003 15:05:39

    eeeeeeeeeeeeeee, até que enfim dna Karininha vai tentar de novo!!!!!!! miga, vc é daquelas q precisam estar peixonadas, pelo seu bem e pelo bem de algum rapaz sortudo por aí – faça o favor de arrumar um cara q te mereça dessa vez. EU SEI o qto vc já chorou, já sofreu já amou e foi amada e sei tb q vc vai ser mto, mto feliz!!!!!!!!! se vc fosse meu tipo, naum te deixaria escapar, eheheheh… boa sorte, e novidades devem ser telefonadas imediatamente hein????? bjossssssssssss

    Ju | 20-12-2003 12:12:36

    Mafaldinha, acho que sem um grande amor a vida não tem graça nenhuma! Acho que você tem razão, a gente precisa de alguém, nem que seja para esbarrar na direção contrária, um companheiro, um amigo, um TUDO! E sabe o que desejo para você nesse final de ano? Que vc encontre esse alguém todo especial e que ele ilumine os seus dias. Beijos,

    mafalda | Email | Homepage | 20-12-2003 11:40:34

    Arre,que já não era sem tempo de vc acordar, minha amiga querida! Essa sonolência toda não combinava com vc. Todo esse amor que vc tem aí guardado é muito especial, vc é muito especial e sabe que eu não estou enchendo linguiça não! É especial mesmo. Vou torcer pra dessa vez aparecer um homem sortudo que saiba enxergar o que vc tem de bom, e ao invés de ficar com medo disso ( sim, pq os homens tem medo das mulheres realmente boas! ), valorize vc e te faça muuuuuuuuuuuito feliz. Pouca gente merece isso mais do que vc. Chorei lendo seu post, miga, muito lindo. Sorte.

    Mila | Email | 20-12-2003 02:48:27

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s