SÓ AMOR?

Estranho, você. Acha que dizer “eu te amo” muda o curso de uma história, assim, magicamente; acha que isso apaga os momentos sofridos, mantém aquele brilho que a nossa incompetência apaga com tanto “deixa como está pra ver como é que fica”. É uma frase linda, sem dúvida. Boa de ouvir, fácil de dizer, difícil de sentir…. E linda. Encerra e inicia com ela muitas coisas. Porém a vida vai ensinando uma lição importante que, já grandinhos que somos, deveríamos saber. Amor não basta. Amor, às vezes, fica pouco, mas tão pouco, que fica insignificante. Sem falar que é exigente e precisa de uma série de aparatos pra fazer a manutenção. Pra dar certo a dois… Precisa muito mais que amor. Mais que um encontro feliz. Mais que inspiração e bons desejos. Mais que um começo arrebatador. Pra dar certo, meu caro, precisa de tudo e mais um pouco.

Precisa de sedução pra fazer o coração disparar no gatilho daquele olhar. De suavidade e delicadeza pra sondar a alma do outro aos poucos, pra evitar as respostas automáticas e ser sincero sem machucar. Precisa de ternura pra achar bonitinho aquele jeito de mexer no cabelo ou aquele cacuete de arrumar os óculos. E também de gentileza pra puxar a cadeira na lanchonete, ou pra dar uma costuradinha no botão da camisa em uma emergência, sem achar isso um peso. Precisa de mistério, muito mistério, que sem ele tudo perde a graça, mas também de revelações e segredos a dois. E de conexões sobrenaturais, aquelas que fazem um sentir uma pontada no peito quando o outro torce o pé no futebol, ou saber que é hora de ligar mesmo quando não era a hora de sempre, mas era a hora que o outro mais precisava ouvir um alô. Precisa de cortejo pra oferecer uma flor numa hora inesperada, mesmo depois de tanto tempo juntos, ou pra mandar um e-mail apaixonado sem razão. Admiração pra sentir-se sortudo ao lado daquela pessoa, porque nenhuma outra poderia ser melhor. Cortesia pra dar aquele presente que o outro queria faz tempo, mesmo não sendo aniversário ou data especial. E muito romantismo pra abraçar de repente na saída do cinema, pra beijar na boca molhado atrás da porta escondidinho, e pra olhar as estrelas e a lua encantados e dizer, “eu nasci só pra beijar você aqui, agora”.

Precisa também de lambida nos lábios quando vê aquele decote, de prazer em derrubar aquele chantilly no colo e lamber, de alegria pra brincar com todos os pedaços do corpo do outro. De muito tesão no jeito de andar, de falar, de vestir, de fantasiar, de beijar, de tocar. De muito calor naquele abraço no sofá, naquela passadinha de mão debaixo da mesa do restaurante, naquele sorriso malicioso pelo retrovisor, naquela carícia mais ousada. Precisa de muita paixão nos gestos, atos e palavras. Precisa, de repente, achar graça de novo no cheiro, e ter vontade de beijar e tudo o mais de mil maneiras diferentes e inesgotáveis; precisa desse desejo renovado a cada dia, sentir aquele frio na barriga ao encontrar, daquela mão correndo perigosamente no corpo do outro enquanto se dirige, aquele tremor ao ouvir sussurrado na orelha “eu te quero”, mesmo quando todo mundo acha que já deu o tempo de deixar de querer. Precisa da paz que se sente depois de uma noite de loucuras, e de saber que só há um lugar onde é possível descansar sossegado depois de tanta respiração acelerada, gritos abafados, apertões e pele na pele: os braços daquela pessoa.

Já cansou? Mas peraí, tem muito mais. Precisa também de amizade, coleguismo, cumplicidade. Precisa dar o ombro quando tem briga com a mãe, desentedimento com o chefe, problemas de saúde com o melhor amigo ou quando o time de futebol cai pra segunda divisão. Precisa entender a chateação do outro, mesmo quando se está exultante de contentamento. Precisa de respeito pra não escancarar maldosamente as fraquezas, e nem tocar o dedo na ferida durante uma briga. Precisa de discordância também, afinal, ela é a maior prova de que um não se anulou por causa do outro. Mas também de compreensão pra olhar de um outro lado, mesmo quando ele é o oposto do seu. Precisa da torcida dos amigos, parentes e conhecidos, e aprender a dividir os problemas a dois com pessoas de confiança, que podem enxergar mais do lado de fora e iluminar os pontos escuros. Fidelidade é desejável, mas, além dela, é preciso muita lealdade pra não enganar, não trapacear, não fingir, ou pelo menos fazer tudo isso o mínimo possível. Precisa de um bocado de sorte, sim, mas o quádruplo desse bocado de esforço pra ser a força do outro e deixar ele ser a sua.

E precisa de um pouco de ciúme pra olhar feio pra uma saia muito curta, pra torcer o nariz pra voz de mulher no telefone, pra abraçar forte quando tem alguém olhando demais; mas tudo sem barraco, que isso não precisa. Precisa também de um pouco de insegurança pra lembrar que nada é pra sempre quando não se trabalha, e muito, pra isso. Precisa do medo que dá de perder aquela criatura quando se olha ela dormir tranquila ao seu lado, ou quando ela demora a ligar depois de uma briga, ou quando pinta aquele olhar de desânimo.

Precisa de sinergia, de objetivos em comum, desde os planos pro final de semana até o número de filhos que se quer ter. Precisa de muita força pra lutar junto, pra sentir a dor do outro, pra colocar a mão na testa quando ele vai vomitar, pra ir lá interceder por ele quando ele já desistiu de tentar. Precisa de uma mão pra apertar nas fases difíceis e aquele monte de frases piegas, mas eficientes, como “estou com você”, e “isso tudo vai passar, calma”. Precisa de muita fé em si mesmo, no que há entre os dois e em algo maior. E também de ambição e espírito de equipe pra trabalhar juntos, e não um contra o outro. E de muita, muita coragem pra enfrentar o que for contra as suas certezas; sim, porque é preciso muitas certezas, sem esquecer de se dar o direito de duvidar.

E é preciso não se ser somente em conjunto, mas sozinho principalmente; ser você mesmo também. E, pro bem dos dois, plantar em você o equilíbrio, o desprendimento, a liberdade, a necessidade de privacidade, e ainda incentivar isso tudo no outro, no que você puder ajudar. Precisa de humildade pra admitir que errou o caminho, abaixar o vidro do carro e perguntar pra alguém pra onde ir; e também pra admitir que falou demais naquela hora, que o outro tinha razão naquele dia, que sente saudade e precisa de uma outra chance, ou que precisa de ajuda quando for fazer aquele trabalho da faculdade. Às vezes, precisa de sacrifício. Precisa cuidar da beleza, de seduzir sempre, de comprar uma camisola nova ou fazer a barba de um jeito diferente. Precisa de muito, muito perdão, pedir e dar: por ter atrasado tanto, por não ter reparado o corte de cabelo novo, por ter esquecido do aniversário de namoro, por ter sido sarcástico e ferino, por não ter feito o necessário, por ter gozado do pai dele, por ter criticado agressivamente o que ele fez com tanto carinho e esforço. E precisa de superação. Muita.

É… Nada fácil. Mas tem o principal, ainda. Precisa de senso de humor, pra rir de si mesmo e fazer gracinha com a meia furada, o cheirinho esquisito, a estria imensa na barriga, a palavra escrita errada no cartão, a cara amassada ao acordar. Criatividade, pra criar novas formas de paixão, e fazer algo surpreendente e diferente a cada dia, mesmo que seja um jeito de pegar na orelha mais enfático, ou um bilhetinho apaixonado na geladeira ou no bolso do casaco. De altruísmo, e pelo menos algumas vezes pensar no outro primeiro do que em si mesmo, abrindo mão do baralho na casa dos amigos ou do chá de bebê com as amigas só porque o outro precisa ficar juntinho. Precisa de diálogos, falar o que está engasgado, aprender a ouvir sem fugir, e a não deixar de dizer nada, mas não necessariamente dizer gritando ou xingando. Precisa fechar os olhos pra alguns defeitos irremediáveis do outro. E muita paciência pra aturar as manias e esquisitices que todo mundo tem, como a história de conferir mil vezes o troco, ou aquele barulho irritante que o infeliz faz com a boca enquanto cozinha ou dirige. Precisa entender que o tempo seu nem sempre é o tempo do outro, e saber esperar. Precisa de muita afinidade pra curtir aquela música juntos, assistir aquele filme, sonhar juntos com aquela casa na praia, planejar as férias, ir àquele lugar ou tentar ver alguma graça no jogo de futebol na TV. Precisa receber e dar proteção, saber botar no colo e fazer o outro ficar quieto, ouvindo o seu coração. Precisa de muita perseverança pra insistir quando tudo parece dar errado, pra ir atrás, pra pedir “não me deixe”, pra dizer “preciso de você aqui”, pra suplicar “me salve”, e ainda lembrar de fazer tudo isso com dignidade e elegância; e depois disso tudo, insistir mais um pouco e só desistir quando sentir o ponto final calando lá dentro. Precisa intimidade pra olhar nos olhos sem medo, e pra saber qual a cor da cueca que ele mais gosta, ou onde ele tem uma marca que esconde de todo mundo, ou o que ele mais gosta de comer, ou o que ele mais gosta de ouvir. E precisa ceder. Muito. Mas muito mesmo.

E tudo isso com o coração alegre e aberto. E tudo isso sabendo que pode acabar. E tudo isso olhando na mesma direção. E tudo isso em meio ao tédio e essa doença que é a rotina. E tudo isso sem perder a esperança. E tudo isso sabendo que tem muito mais. E tudo isso mesmo quando se está cansado. E tudo isso sabendo que não é fácil e que a maioria fracassa… E tudo isso.

E você vem dizer que basta apenas o amor? Infelizmente, não. O amor não mora só no “eu te amo”. Ele se faz nisso tudo aí e em tudo o mais. E quem ama de verdade não pode deixar por menos… E nem consegue. Um “eu te amo” real traz implícito todos esses momentos, vividos, mas agora passados; por isso que ele é doce na boca de quem diz e apaixonante no ouvido de quem fala. E deve ser por isso que, pela primeira vez, essa frase, tão cheia de beleza, me soou tão vazia de sentido…

Anúncios

5 comentários sobre “SÓ AMOR?

  1. Lindo! E emocionante…

    Vivian | Email | 25-01-2004 17:01:11

    O “Eu te amo” só tem mesmo sentido se contiver tudo que vc pode detalhar tão bem ! Beijo grande e parabéns pelo maravilhoso texto!

    Deize | Email | Homepage | 25-01-2004 15:53:44

    Bom..eh necessario tudo isso para o amor mas achoq ele naum eh taum complicado assim pois ele esta constantemente dentro de nos…

    bela da Noite | Homepage | 25-01-2004 14:36:11

    Oi, moça… Você me convenceu… 🙂

    SlothSam | Homepage | 25-01-2004 14:32:56

    na boa, você ama ou já amou? mas não o amor e sim o AMOR… tem ou já o teve?

    Peu | Email | Homepage | 25-01-2004 12:56:31

    Como vc consegue expressar de forma tão detalhada cada coisinha que faz o amor ser mais amor, ser verdadeiro amor, ser um amor completo? Amei, simplesmente fascinada com tudo isso… Lembrei do Pra viver um gde amor, do Vininha! Maravilhoso esse post. vou copiar pra mim, pra ler e reler! Bjos!!! PS: Desculpe mais uma vez não ter escrito nada sobre Sampa… talvez escreva algo hj, inspirada pelo show da São João com a Ipiranga, q tá acontecendo agora e q estou vendo pela TV… aí te mando uma cópia, mmo q seja tarde demais… Bjios

    Cris | Homepage | 25-01-2004 00:09:16

    M A F A L D A! Que texto menina! Beijão

    Mônica | Email | Homepage | 24-01-2004 21:20:49

    Cheguei aqui por acaso, através de link do link em outro link mas tenho certeza que cheguei pra ler esse seu texto. É simplesmente maravilhoso. Me identifiquei absurdamente com o que você diz, concordo plenamente e pela primeira vez na vida estou vivendo esse amor. Há pouco tempo escrevi um post tb sobre a frase “eu te amo”, claro que nem de perto se comprar ao seu mas tudo em volta desse assunto. Se vc ainda não viveu esse amor viverá. Pq só quem sabe que ele existe pode vivê-lo.

    Cá | Homepage | 24-01-2004 14:57:15

    Ola Karina.Voltei aqui pra avisar que recebi o presente ( livro “O mundo da mafalda”).Simplismente Adorei e ja comecei a viajar pelas tiras da mafalda, menina tão curiosa.Bjão!!!

    Penny | Email | 24-01-2004 14:11:39

    oi Mafalda. Obrigada em primeiro lugar pela visita ao meu blog. Gostei daqui e da maneira como vc escreve. Umbeijo e um ótimo fim de semana Volte sempre que desejar

    Ana | Email | Homepage | 24-01-2004 12:41:13

    Eu li, reli e li novamente esse texto várias vezes, ele me provocou uma emoção muito forte e preferi abaixar a poeira pra comentar. Por hora, apenas digo que é lindo, lindo, lindo. E que poucas mulheres seriam capazes de reparar e expressar tantos detalhes substanciais do amor dessa maneira ao mesmo tempo doce e dura que você fez. Adorei. Minha alma, admirada com o brilho da tua, te manda um beijo especial e um agradecimento. Precisava há muito tempo ler algo assim. Beijo.

    Fábio | Email | 23-01-2004 23:57:36

    Ah… e faltou dizer que esse é o layout mais lindo e criativo que já encontrei. Parabéns!! Agora vou ler o texto “Mafalda falando de Mafalda”. Beijos grandes do SÍNDICO em nome de todos os moradores do ALBERGUE MENTAL.

    SÍNDICO | Email | Homepage | 23-01-2004 18:40:32

    MAFALDA: Antes de mais nada (pois vou dizer tanta coisa, que pode ser que eu divague um pouco), quero registrar aqui o meu sincero agradecimento por tua linda mensagem de boas-vindas deixada no Ponto G.Emini. Com toda a certeza, pessoas como você serão o meu maior estímulo para elaborar bons textos. Bom, agora posso divagar, né? Você não têm idéia do quanto eu gosto do Quino (criador) e da Mafalda!! Passei a minha infância acompanhando as desventuras e aventuras dessa linda infante e de seus amiguinhos. Acompanhei a chegada de sua primeira tv, o nascimento de seu irmãozinho e tantas outras coisas. Hoje, vejo que ela cresceu e se tornou uma mulher romântica e de personalidade linda. Prazer te conhecer!! Beijos em tua alma… e quando puder / quiser, apareça no ALBERGUE MENTAL, valeu?

    SÍNDICO | Email | Homepage | 23-01-2004 18:38:39

    Valeu pela visita em meu blog. Que texto, hein? M A R A V I L H O S O ! ! ! Parabéns. bjs.

    Rê | Email | Homepage | 23-01-2004 14:13:26

    Miguinha, ando meio sumida mas logo volto por aki 😉 beijão. Te adoro.

    Sabina | Email | 23-01-2004 13:33:48

    Ai amiga, nem me fale! Não é nada fácil mesmo… Ficou 10! Bjão PS: Me conta os detalhes por email?!?

    Ragazza Pazza | Homepage | 23-01-2004 11:19:19

    Oi, querida. Adorei o texto. Muito perspicaz! Aos pouquinhos estou voltando a visitar os blog’s amigos. Prometo voltar com mais regularidade. Beijocas e inté.

    Patileine | Homepage | 23-01-2004 10:40:48

    Achei muito bom… seu texto diz tudo…

    Nanny | Homepage | 23-01-2004 09:28:16

    Perfeito!

    Carla | Email | 23-01-2004 02:49:04

    Miga, nós já somos felizes, só ainda não abrimos a porta ou a janela certa, tenho certeza q abriremos logo logo. Beijoca!

    Virgulina | Homepage | 23-01-2004 01:36:28

    Miga querida, que lindo texto. Acho que é a forma madura de se ver esse tal amor, não deixando de ter magia. Acho, aliás, que a magia do dito cujo não está naquela cena linda que tanto esperamos no cinema, do casal feliz que finalmente resolve ficar junto, mas no que vem depois, em tudo o que você descreveu. Mas é preciso tentar, pra fazer dar certo, porque, com certeza, tudo vale a pena, quando o “eu te amo” deixa de ser só mais uma frase.

    Taty* | Homepage | 23-01-2004 01:20:11

    Fantástico!!! Me fez refletir se realmente fui sincero com as pessoas que disse “eu te amo”. vc escreve maravilhosamente bem!!! Parabens!!

    Dann | Homepage | 23-01-2004 01:12:33

    Fiquei embasbacado com a beleza do seu texto, ainda mais vindo de vc, a mulher que um dia eu amei tanto, e ainda amo… Não sei de que jeito, mas sinto que amo. Mas também senti muita dor atrás dessas sedutoras linhas… Meu coração ficou pequenininho ao te ler. Espero que seja só uma má impressão. O imprestável do Zé Mário ficou de cuidar de vc por mim, cadê??? Tsc. Incompetente. Beijos, romântica menina. E dias mais alegres e cheios de amor pra vc.

    Ful | Email | 23-01-2004 00:23:23

    O texto é ótimo, é lindo, remete a alegrias que todos nós temos ou queremos ter, imensamente bem escrito, forte e todos os elogios mais que você merecer. Mas eu sei o quanto o seu coração deve ter sangrado pra escrevê-lo, amiga, porque finalmente algo de novo acontece aí dentro de você, eu sei disso agora, senti no seu jeito, nessas palavras cheias de saudade e que me emocionaram até as lágrimas. Sei tb que você não quer falar por hora, mas quando quiser, estarei aqui pra te ouvir; você é muito amada sim, você sabe que é, mesmo por quem não sabe amar desse jeito lindo que você descreveu. E presta atenção, NÃO TEM como dar errado pra você, há uma vida feliz te esperando, e se vc não acredita mais nele, ou em você mesma, acredite em mim e nisso que estou te dizendo, e fica com um beijo meu.

    Adri | Email | 22-01-2004 22:31:27

    Concordo em gênero, número e grau. É difícil, mas não impossível. E ‘eu te amo’ simplesmente soa vazio mesmo. Muitas vezes essa frasezinha é pronunciada sem medir o seu real valor. Beijos, ótimo texto!

    Ana Beatriz Guerra | Homepage | 22-01-2004 22:16:02

    Não acredito no amor à primeira vista, mas creio que certas pessoas produzem um tipo de encantamento qd olhamos pra elas.Acredito no amor através do convivio diario.Acredito no amor descrito por vc e espero que um dia possa dizer “eu te amo” com a intensidade que vc o descreveu.

    Penny | Email | 22-01-2004 21:07:30

    é.. tem de ter tudo isso que citaste e muito mais. tem de ter boa vontade e paciencia. sim,… e tem de ter amor para toda a vida. senão, não vale nada a pena! besos

    nefertari | Email | Homepage | 22-01-2004 20:57:45

    Se a minha ex-namorada lesse esse texto, com certeza ela voltaria pra mim… 🙂 Gostei demais! Beijo…

    Tigre | Email | Homepage | 22-01-2004 19:26:17

    Belo texto, Mafaldinha!

    moonthoughts | Homepage | 22-01-2004 19:06:28

    Karina, Sensacional! Amei! Eu só acrescentaria: desligar essa maquinhinha doida quando eles chegam!!rss Lindo! Beijão

    Mônica | Email | Homepage | 22-01-2004 16:57:41

    Bonito, bonito, bonito! Capaz de fazer lacrimejar, sorrir e pensar. Nesse exato momento parei a minha vida justamente para saber se existia esse amor que vc se refere, esse que enche de sentido esse “Eu te amo” tão banalizado. Se era possível resgatar o brilho nos olhos, o bom humor e a capacidade de rir de si mesmo. Se conseguiria deixar de ser tão sarcástica, cruel, ácida e ferina. Realmente, não sei. Mas a frase ainda me faz sentido, ainda não está completamente vazia. (já me excedi, né?). Beijos

    Carol | Homepage | 22-01-2004 16:52:49

    A questão é: tudo o que disseste é amor. Quando digo “Eu te amo” estou dizendo e sentindo e me responsabilizando por tudo o que descreveste, senão não é Amor.

    Lucanto | Email | 22-01-2004 14:15:51

    nossa, q lindo…… chorei pacas lendo isso…. adorei as imagens também……. tdo mto lindo. bjos amiga, e q encontremos alguém assim o mais rápido possível.

    Mila | Email | 22-01-2004 13:48:17

    Kari q bom ler isso. Bom pq lembrei de mim, bom pq esclareceu o q estava rondando na minha cabeça sem explicação, bom pq vc tem absoluta razão e parece q não se conforma mais com certas coisas. Acho q é por isso q eu tenho sofrido por causa desses eu-te-amos, tenho sido amados pela metade, só um pedaço, e não merecemos isso, principalmente vc não merece, e que bom saber q vc não caiu nessa outra vez; dói mas a gente precisa ir em frente na vida. Eu to me esforçando pra não voltar a velhos vícios e buscar isso td, quando td isso acontece naturalmente, a gente sabe q ama e q está sendo amado sem precisar dizer, não acha? Sabe outra coisa q eu percebi? eu já vivi tudo isso, e fui feliz, e como diz o Belchior, agora eu quero tudo outra vez. :))))))))) Bjo, menina adorada, eu amo muito vc ( e é sincero ). ( pqp, esse é o comentário mais longo q eu já fiz, vou anotar o recorde, ehehehh ).

    Zé Mário | 22-01-2004 11:45:08

    O problema, bela mafalda, é que para amar é preciso sentir amor.

    André Gonçalves | Homepage | 22-01-2004 10:46:56

    me perdoe pela pobreza do meu comentário,mas achei esse texto uma síntese muito bonita dos meus próprios sentimentos.aqui fica meu silêncio cúmplice e minha admiração.

    Beta | Email | Homepage | 22-01-2004 05:13:14

    Curtir

  2. Karina,
    é isso????!!!

    Boa parte do que você escreveu eu sinto, eu vejo, eu desejo… mas nunca conseguiria expressar com palavras de forma tão suave e harmônica.
    Não sei bem como cheguei a esse blog, não tenho o hábito de ler blogs assim. Bem, o que tenho a dizer: parabéns e obrigado pelo presente. 😉

    Curtir

  3. Com tantos cometários difícil mesmo é dizer algo novo por aqui…
    Você tem um jeito detalhista de escrever, algo muito raro, muitas vezes não prestamos tanta atenção aos fatos que nos acontecem e em consequência não conseguimos ver esses detalhes que só nos ficam aparentes quando lemos textos assim como o seu.

    Também gosto muito de escrever, mas ainda estou aprendendo a ser minunciosa…tenho um estilo mais explosivo e seco…hehe…mas adorei ter caído aqui por acaso!

    gnde bjo e bons pensamentos
    Camila

    ps: se puder dá uma passadina no meu blog!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s