MEROS DEVANEIOS TOLOS A ME TORTURAR

Estive ontem na cerimônia de colação de grau Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo, vulgo formatura da FEA USP. Meu irmão do meio era um dos 240 formandos, que foram chamados, um a um, para receber o canudo de papel que lhes conferia o título de administradores, economistas ou contabilistas. Foram no mínimo 10 discursos, mais algumas músicas, shows pirotécnicos e a chamada nominal, além da presença de alguns nomes ilustres ( Senador Aloísio Mercadante e grupo Fat Family, por exemplo ). Quatro horas de cerimônia. E nesse tempo, bem sentada e com um sapatinho alto me apertando doloridamente o pé depois de um dia cheíssimo de trabalho… Deu pra reparar e pensar em bastante coisa.

Não vi nenhum negro se formando lá ( o mais escuro talvez fosse meu irmão, moreno jambo – que provavelmente também era um dos únicos ali que cursara o ensino médio em escola pública ). No estacionamento, uma incrível concentração de carros importados. Dentro do salão, damas trajadas com vestidos finos, cabelos arrumadíssimos e homens alinhados e elegantes – gente bonita, bem vestida e bem cuidada. Por trás das palavras bonitas dos discursos de professores e oradores, o que se ouvia era “somos ótimos por ter passado no vestibular mais concorrido do país, e merecemos ser vencedores pro resto da vida. Esse diploma é passaporte pro nosso sucesso profissional, e continuaremos vencendo e ganhando dinheiro, mesmo tendo uma certa peninha de quem não teve as mesmas oportunidades que nós”. Tsc.

Muitas questões rondando em tudo que foi dito e visto. O Senador Mercadante fez um discurso lindíssimo e engajado que foi um tapa na cara dos ricaços presentes, e que me trouxe apaixonadas lembranças. Ali estavam algumas grandes futuras fortunas do país, que vão esquecer tudo que juraram. Implícita, estava a questão da universidade pública, que é sustentada pelos impostos pagos por todos e que só tem perpetuado esse ciclo de fazer mais ricos quem já é rico e estrepar mais ainda quem já é pobre ( não é o caso do meu mano, mas é o caso de 90% dos que estavam lá ). A festa tinha um tom esnobe e elitista quase sufocante. E me lembrei até que eu tenho que superar essas implicâncias com o ambiente uspiano pra voltar lá, destrancar minha matrícula e terminar aquela faculdade de Pedagogia que pra mim é insuportável.

Mas o momento mais emocionante da festa foi a homenagem prestada pelos formandos aos seus pais. Entre abraços, rosas e muitas lágrimas, naquela hora, as famílias, não importa que história viveram, ou que realcionamento tinham, eram iguais. Os pais orgulhosos de seus filhos, e os filhos agradecendo aos seus pais pelo apoio, pela força, pelas oportunidades e pela exigência. E foi quando caiu a minha ficha de que, pra toda aquela gente, estar ali, naquele ritual de passagem tão pomposo, era a realização de um sonho.

Os sonhos realizados são deliciosos. Dão uma sensação de plenitude, de poder, de conquista, de recompensa. Quando você tem um sonho, o transforma em objetivo e vai atrás dele, faz investimentos. Muitas vezes, faz sacrifícios, escolhas dolorosas, gasta tempo, dinheiro e energia, deixa muita coisa no caminho e ganha outras. E no final, quando o sonho se realiza, apesar de tudo, fica o gosto da vitória, da felicidade. Um gosto de sabor muito raro, muito especial. Um sonho realizado é uma justificativa breve da vida, dá sentido a tudo. Mas é só.

Para aqueles formandos, a vida recomeça na segunda-feira, de outro jeito. Com um sonho realizado nas costas, eles agora têm de redirecionar suas vidas para outros caminhos. Mas aquele sonho, ironicamente, na hora em que foi realizado, morreu. Não há mais nada a fazer sobre ele, a não ser lembrar. E pude reparar na cara de alguns pais, e alguns filhos, aquele jeito de “Está feito. E agora?”. E quem não pensou nisso naquela hora, vai pensar depois. A realização é fugidia, e logo traz uma tristeza que tem qualquer coisa de vazio. Por culpa dessa eterna insatisfação que faz parte da constituição do espírito humano, o sonho realizado vira um sonho morto, e, frequentemente, um peso a ser carregado.

Lembrei de algo que li uma vez sobre isso. Os sonhos perdidos. Esses, sim, duram pra sempre, embalados pelos braços da nossa ilusão, dos nossos ideais, do desejo, e depois passam a embalar os nossos dias. Os sonhos não realizados ( ou não realizáveis ) sempre serão os melhores, porque são perfeitos. O melhor bolo da sua vida vai ser sempre aquele que você não conseguiu provar. O melhor caso de amor sempre será aquele que não vingou. O melhor emprego, com certeza, teria sido aquele que você perdeu por azar ou por falta de esforço ou oportunidade. A melhor viagem é aquela que você não conseguiu fazer. O melhor regime de governo é aquele que nunca vigorou. O melhor poema é aquele que nunca foi escrito. Com esses sonhos, sim, você vai ter que conviver pro resto da vida, porque eles são como aquelas roupas amassadas que escondem sujeirinhas em suas rugas, mas que não serão vistas enquanto não forem passadas pelo ferro quente da realidade, essa malvada realidade, tão entendiante e fascinante ao mesmo tempo. Sonhos que não se realizam são eternos.

Pensei nos meus sonhos realizados. Minhas formaturas, meus empregos, minhas aprovações, meus namoros, meus pequenos desejos satisfeitos. Já nem lembrava muito deles. Os frutos de alguns estão presentes em minha vida todos os dias, mas não me entusiasmam tanto quanto faziam quando ainda não eram realidade.

E percebi que tenho ainda muitos sonhos perdidos. Muitos. E, mais ainda, percebi que vem deles a força de tudo que sinto e penso. É pra sustentar de paixão os meus sonhos não realizados que eu vivo. É pra isso que estou aqui. Vem deles todo esse sentimento, toda essa vontade, toda essa certeza de que eu ainda tenho que viver um pouco mais, nem que seja pra dar um pouco mais de vida a eles. E, se por caso ou acaso, algum dos meus sonhos perdidos vier a se realizar, preciso colocar no lugar dele um outro sonho, ainda mais difícil e ainda mais forte, pra continuar querendo. Querendo, querendo, querendo. A vida sem desejo é sobrevida. E a vida sem sonho é semi-vida.

Olhei com carinho e sorriso pra todos esses sonhos que ainda não vi acontecer. Pensei no quanto ainda tenho por fazer na vida. Não dá pra negar que alguns deles viraram frustrações, pedrinhas no sapato, que me deixaram com um certo medo de andar. Mas foi bom ver que eles ainda estão lá. E que mesmo aqueles que deixaram de fazer sentido, ainda fazem parte de mim. Dizem que um sonho que não se realiza é perigoso, mas pensei no perigo ainda maior que representa um sonho realizado.

Tocaram com força no meu ombro:

– Menina, acorda, olha lá, finalmente acabou… Ele já está vindo!

Quando abracei meu irmão, que trazia em sua mão um canudo bonito de papel, gravado em letras douradas… Desejei que ele tivesse ainda muitos outros canudos com o que sonhar. Acabei falando, quando ele me mostrou o canudo:

– Legal, querido, mas… Depois de curtir um pouco ele, jogue fora. E bem jogado.

– Ué, mas por quê?

– Porque assim você vai sentir falta, vai querer ter outro… E vai ter o que fazer da sua vida, oras.

– É isso que dá deixar você sentada sem ter o que fazer…

Sim, é isso o que dá

Anúncios

3 comentários sobre “MEROS DEVANEIOS TOLOS A ME TORTURAR

  1. Adorei +++++++

    Você é realista, infelismente é isto que acontece nas instituiçãoes de ensino principalmente se tratando do negro….uma grande parte do povo brasileiro que ainda não tem acesso a ensino de qualidade……pois ainda é vítimas de sistemas que destroi com a humanidade e desrespeita a ser humano filho de deus.

    Curtir

  2. Lindo….! O poeta, bem na verdade, vive de sonhos. Há que se ter uma utopia. Sem ela, não somos nada. Beijos! Ivana

    Ivana | Email | Homepage | 05-04-2004 16:29:04

    muito rápido. não tive tempo de ler o texto, ainda. mas adorei o título. a música instantaneamente invadiu a minha cabeça.

    Cris | Homepage | 02-04-2004 08:24:16

    Ai amiga, me identifiquei demais com esse texto seu… Sonho tanto em realizar a minha viagem!! Beijos :*

    Ragazza Pazza | Homepage | 01-04-2004 20:58:16

    ATENÇÃO, LEITORES DO ALBERGUE MENTAL: Infelizmente, ocorreu um probleminha técnico na configuração do albergue (uma espécie de falta de luz – risos), e no momento nos encontramos sem layout e com os posts “apagados”. Na verdade, eles continuam ali, e podem ser visualizados se vocês selecionarem o texto com o mouse. Prometo que a situação se resolverá o mais rápido possível e peço desculpas pelo incômodo visual. Mas não nos abandonem!! (risos) Hoje mesmo já tem post atual por lá, e também tem texto do Síndico lá no Ponto Gemini: http://www.pontogemini.blogger.com.br / abraços a todos!!!

    SÍNDICO | Email | Homepage | 01-04-2004 15:27:53

    Excelente seu texto. Mafalda. Lembrei de voce quando resolvi copiar um desenho da Mafalda lá no Cicatrizes. mas estava te devendo a visita. Li os posts atrasados. Voce é ótima! Sonhos??? a gente nao pode desistir deles, sao matéria essencial da alma.

    nora | Homepage | 01-04-2004 12:48:46

    Seus textos são sempre certeiros e adoráveis ao mesmo tempo. Estou para dizer, que se fosse vc, dia desses faria um post: comentários de Mafalda. Não tenho tempo/paciência de ler comments não, mas os seus: paro leio e invariavelmente penso, rio, reflito. Vc é direta, inteligente e educada. Agora explica: Como não gostar demais de vc amigauinha?

    Mônica | Email | Homepage | 01-04-2004 09:29:23

    Mafalda, acabei de te conhecer e dei de cara com a formatura do seu irmão! Maravilhosa a lembrança dos sonhos, eles são a mola da vida. Parabéns! Vívian.

    Vívian | Email | 01-04-2004 02:09:34

    Mafalda, mais uma vez você acertou meu coração em cheio com mais um texto lindo! Beijos!

    alan davis | Homepage | 01-04-2004 02:03:29

    Bienal do Livro leva humor de Quino a sério DIEGO ASSIS DA REPORTAGEM LOCAL Não há como falar de Quino, 71, sem falar de Mafalda, 40, personagem da tirinha que lhe trouxe fama internacional desde a sua estréia em 1964 até muito além de sua “morte”, dez anos depois. Mas, por ora, chega de Mafalda. Apesar da insistência dessa garotinha em continuar por aí, fazendo sempre as suas perguntas certas nos momentos mais incertos, Quino precisa ser reconhecido pelo que ele é: “o melhor cartunista do mundo”, segundo o pesquisador brasileiro Alvaro de Moya. “A linguagem dele nos cartuns é muito superior à linguagem dele nos quadrinhos. Muitas coisas que poderiam ter sido feitas com dois quadrinhos, em “Mafalda”, ele fez com quatro”, afirma Moya, que, em 24 de abril, participa de uma palestra na Bienal do Livro sobre a obra de Quino. O evento acontece por ocasião do lançamento de três novos álbuns do cartunista argentino, “Bem, Obrigado. E Você?”, de 1974, “Quinoterapia”, de 1985, e “Quanta Bondade”, de 1999.

    Doido da Garrafa | Homepage | 31-03-2004 15:46:31

    Sonhos para todos…sempre! Como são insuportáveis essas pessoas medrosas que se travestem de sensatas, né? Beijos querida e parabéns pro economista da família.

    Carol | Homepage | 31-03-2004 09:25:17

    Parabéns para toda família, pois não é qualquer um que forma hoje em dia. Aí que a vida dura começa, vida adulta. MAs é bom não ficar muito realista não senão endurecemos demais. Tente continuar sonhando! beijos

    Carol&Nando | Homepage | 30-03-2004 13:56:39

    Acredito em quem diz que tudo que o homem pensa, ou sonha, ele é capaz de realizar. Acho que isso tem muito sentido. Pq alguns sonhos não se realizam, não consigo entender. De qualquer forma, acho que o problema mora nos extremos. Viver dos sonhos ou deixar de sonhar. Beijos Felicity

    Felicity | Email | Homepage | 30-03-2004 12:22:49

    Eu tenho de admitir que adoro glamour. Acho que é elemento fundamental de uma grande comemoração, especialmente formatura…

    Patileine | Homepage | 30-03-2004 09:59:49

    Minha querida, não sei o que houve, mas o comentário que você deixou ontem, 28/03, sumiu. Beijo.

    Arquimimo Novaes | Homepage | 29-03-2004 19:33:31

    É isso aí, né ? Sonhar, buscar a realização do sonho, e depois, colocar outro no lugar ! Beijo grande, Mafaldin…

    Deize | Email | Homepage | 29-03-2004 19:12:27

    Essa observação da ausência de negros se formando foi realmente importante. Nessas horas que a gente pára pra refletir em como eles ainda são uma minoria… e que as formas de se acabar com isso ainda não são satisfatórias. Um grande beijo, gatinha.

    SÍNDICO | Email | Homepage | 29-03-2004 18:30:44

    oi mafalda. formaturas (aquela parte em que a gente fica sentado assistindo) são boas pra pensar. já pasei por isso. cerimoniais intermináveis, e nós lá, sentados pensando. ando me concentrando nos sonhos em andamento, mesmo sabendo que depois de realizados deixam apenas vazios. já aprendi que o bom é ir aproveitando os momentos da caminhada rumo a conquista. esses são os mehores, os que nos dão mais prazer.

    Cris | Homepage | 29-03-2004 15:16:49

    é isso o que dá ficar sentada… é isso o que dá pensar…. já escrevi muito sobre o tal “inferno de pensar”… será que as pessoas ignorantes são masi felizes?… não sei… vou parar antes de pensar demais….. hehe…. bjs! adorei o blog!!!

    Rê | Homepage | 29-03-2004 14:02:35

    Esse negócio de faculdade pública é complicado, estudei minhavida toda em colégio público e não consegui entrar para a federal de Curitiba, entrei na puce foi humanamente impossível continuar pagando 600 reais mensais por mais dois anos, desisti do único sonho que estava realizando por falta de grana e nem me dei o trabalho de trancar, não vou conseguir voltar mesmo…

    Di | Email | Homepage | 29-03-2004 12:50:40

    Estamos na mesma sintonia. Estou escrevendo exatamente sobre a dor do sonho perdido da minha geração. Pelo menos agora há o sistema de cotas para democratizar o ensino. E, embora a Microlins que patrocina Netinho só tenha um negro no seu cartaz, e, mesmo assim, recepcionista, na capa do folheto da Submarino só tem uma loura! É um negro feliz que está na capa! Nesse ponto,as coisas vão mudar.

    Angela | Email | Homepage | 29-03-2004 08:40:29

    Sonhos perdidos, cartas, colo… Cê tá bem, K? Olha lá hein? Bjo, se cuida.

    Adri | Email | 28-03-2004 22:03:13

    Querida, seu irmão te conhece muito bem. rs Você tem razão. Do sonho realizado, a gente esquece, mas o sonho perdido, esse a gente lembra pra sempre. Beijo, você é assim, um sonho pra mim. :)))))

    Fulvio | Email | 28-03-2004 20:22:18

    acho q vc nãoi ficou sem o que fazer…. pensou para depois nos trazer este excelente pensamento. A gente não tem que deixar de sonhar. tem de viver.. um dia após o outro.. sempre. um beijo em ti, nas tuas mãos e no teu irmão que acaba de entrar para a nossa selva.

    Taís | Email | Homepage | 28-03-2004 18:28:29

    Parabéns e Boa Sorte pro seu irmão! Isso me fez relembrar a minha formatura. Primeiro, antes da solenidade, eu usava um vestido de bucle e fiquei agarrada costas/costas com uma mulher que usava um vestido com strass… rs… tiveram que nos separar com cuidado pra não destruir os vestidos. Depois que vesti a beca e meu irmão ter elogiado dizendo que eu parecia um urubu, foi a vez do juramento. A juramentista dizia uma frase e nós repetíamos. Até que ela disse uma frase muito comprida e foi o caos… o auditório veio abaixo, a formatura parou pra esperar todos acabarem de rir… só não esperaram a mim que já tava passando mal tentando prender o riso sem conseguir… nem jurei direito… rs… tempos depois assisti uma formatura de amigas e colegas de profissão e aproveitei pra jurar direito… foi tragicômico. Beijocas!

    Luluka | 28-03-2004 09:21:39

    Pois é, miguinha, somos assim mesmo… Quanto mais temos, mais aspiramos. Mas é isso que nos faz progredir, “cair na real” com alguns sonhos não realizados, sentir aquele gosto de vitória, de merecimento com os realizados… E continuar sonhando, porque faz bem, traz um pouquinho de felicidade antecipada, esperança e força. Quanto ao lance das facus, é uma injustiça mesmo, com seus alunos vindos de escolas particulares, fazendo cursinho pro Vestiba… Vixi, e quando a gente passa numa, ela resolve fazer greve, rsrsrs! Beijocas, querida.:-)

    Taty | Homepage | 28-03-2004 00:11:54

    Questão complicada e urgente você trata em seu texto. Pena que não se discuta realmente o assunto a sério no Brasil. Beijo.

    Arquimimo Novaes | Homepage | 28-03-2004 00:02:54

    Uma vez ouvi em algum lugar que, mesmo sabendo que um sonho não se realizará, a pessoa deve continuar sonhando… Você tem toda razão Mafaldinha… É isso que nos mantém vivo. Aquilo que aspiramos… Aqui que poderia ser… Mas, claro, nunca podemos menosprezar aquilo que é.

    moonthoughts | Email | Homepage | 27-03-2004 22:30:01

    Haha, q diálogo engraçado entre vcs 🙂 concordo com td sobre as universidades públicas, a dificuldade de se entrar, permanecer e sair delas. Quanto aos sonhos.. hum… =*******

    Sabina | Homepage | 27-03-2004 21:00:09

    Curtir

  3. Garota!!!
    Nós somos sonhos e é o sonho que está em todos nós.

    Realidade, realidade.. Pura
    Me identifiquei tanto com a sua expressão.
    Sinto que as frustações vendam a nossa alma e olhos e prendem os nossos pés em marcas profundas.
    Mas não deixar se fincar em areia é o segredo.. Fincar os pés na rocha é segura.. só que para se alcançar é preciso subir… subir…. e chegar ao topo da nossa maturidade para não cair.. cair… cair!!!

    Nada está fácil, porém dar-se um jeito.
    O segredo é não desistir. É difícil, no inicio magoa, arranha, machuca e faz o pensamento de inutilidade logo surgir.. Mas deixa pra lá tudo isso que está na mente… Lute, mesmo se sentindo incapaz!!!!

    E abstráia tudo que não te servir..

    Valeuwww

    E pensem nisso

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s