MEUS BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS

MEUS BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS

Como vocês bem sabem, eu sou fanática por datas comemorativas. E fiquei pensando no que dizer no dia das crianças. Falar dos meus alunos tão fofinhos, falar das frases inteligentes que eu escuto das crianças por aí, falar sobre a infância, sobre as crianças de rua, falar da Debinha, minha afilhada fofa e que nos surpreende a cada dia… Falar da vontade cada vez maior que eu tenho de ser mãe. Comecei todos esses posts, talvez um dia os termine. Mas comprovei o que eu já sabia – sou uma saudosista por natureza. E eis a minha listinha comentada de brinquedos e brincadeiras preferidos. Alguns detalhes mamy teve que me ajudar a lembrar… Espero estar sendo fiel à realidade.

* Lalá e Lulu

Meu pai me deu este primeiro brinquedo semi-eletrônico quando eu tinha uns 8 anos. A Lalá era uma boneca loirinha que, uma vez posta 4 pilhas dentro dela, andava rebolando com o Lulu, seu cachorrinho, segurando ele pela coleira. Era muito bonitinha de se olhar. Por uns 5 minutos, depois perdia a graça. O fim da Lalá foi ser enforcada na coleira do Lulu e depois jogada na sacola de brinquedos pra doar sem dó nem piedade.

* Disquinhos de História e Vitrolinha Vermelha

Eu tinha uma vitrolinha vermelha que minha mãe comprou pra mim. Uma daquelas que virava uma maletinha. E meu pai ganhou de um amigo toda a coleção dos disquinhos de história, aqueles que tinham os contos clássicos ( e que foi relançada agora em CD ). Vários deles eu ouvi até riscar. Os que eu não gostava eu quebrei. Eu era uma menina nervosa. Hehe.

* Susi

Era o que é hoje a Barbie. Eu tinha umas 4, dada por tias e avós ( minha mãe me conhecia bem demais pra me dar uma boneca dessas ). Eu penteava tanto o cabelo loiríssimo e liso da Susi que ele embaraçou nas pontas. Aí eu cortei e foi pior. Pintei o cabelo dela com canetinha e cortei a roupa dela, colando uns adesivos pra ela virar menudete. Não restou nenhuma pra contar história.

* Brincadeiras de Rua

Eu fugia quando ninguém estava vendo… E ia pra rua. Lá, eu brincava com os moleques, e essa era a minha maior alegria, já que o meu irmão não gostava de fazer outra coisa senão ver TV. Amarelinha, pega-pega, esconde-esconde, bafo, bolinha de gude, carrinho de rolemã, pipa, mês, passa-anel, mãe da rua, barra manteiga, bola, pega-cinta, escolinha, morto-vivo, stop, duro ou mole, subir em árvore, pular muro, casinha, escolinha, comidinha, médico ( no bom sentido ), todas as brincadeiras de roda. Não tem nada melhor pra uma criança que brincar longe da supervisão dos adultos. Nada.

* Ursinho Peposo

Era assim: eu ganhei o Peposo da minha tia no dia das crianças. O mais horrendo ursinho de pelúcia de todos os tempos. Dizem que ele chupava o dedo das próprias mãos e dos pés, mas aqui em casa nunca conseguimos fazer o dedo parar na boca do urso mais que uns 8 segundos. O Peposo tinha uma esposa, a Peposa, que eu ganhei do meu avô no natal. E, por infelicidade, deram o Peposinho pro meu irmão. Toda vez que eu queria fazer a família ficar completa, tinha que ameaçar, chantagear, subornar ou bater no meu irmão. Aliás, sair no tapa com ele era o meu esporte favorito. 🙂

* Meu Bebê

Um dia meu pai nos soltou numa loja de brinquedo e disse, “podem escolher um brinquedo, qualquer um, mas é um só, eu não vou interferir”. Eu e o Rodrigo ficamos doidinhos correndo na loja, de um lado por outro. Até que eu bati meus olhos nela. Linda, grande, um bebê de verdade ( mesmo sendo loira ). Ela passou a ser minha filhinha preferida. Brinquei anos com ela, até que ela literalmente acabou de tanto uso. Quando eu fiz 15 anos, me deram uma outra igual, mas não tinha mais a mesma graça… Tenho saudades do meu bebê. Só pra constar… O Rodrigo, boboca, não escolheu um autorama nem um carro de controle remoto, nem uma bicicleta. Ele escolheu um carrinho daqueles pequenininhos que viram robô, que durou menos de uma semana. Tsc.

* Bicicleta Caloi Ceci

A propaganda ensinou, eu fiz: enchi a casa, os bolsos das roupas, os armários e sapatos dos meus pais com aquele bilhetinho: “NÃO ESQUEÇA A MINHA CALOI”. Aí o Papai Noel me trouxe: uma Caloi Ceci, dourada, com cestinha preta. Pintei e bordei com essa bicicleta, até que caí e quebrei o braço em 5 lugares. Mesmo engessada, eu andava pra cima e pra baixo, em casa, na rua, nos parques, na praia quando íamos viajar. Até hoje me lembro de como era bom andar e abrir os braços sentindo o vento bater no rosto… É como se fosse voar mesmo.

* Coleção de Luxo – Sítio do Pica-Pau Amarelo

Quando me falaram que eu ia ganhar de natal uma coleção de 4 livros gigantes, quase sem figuras, cheio de letras, eu fiquei possuída de raiva. Escrevi uma carta xingando o papai noel de nomes nada bonitos. E deixei o presente fechado um bom tempo. Quando resolvi abrir, foi um encanto. Aos 10 anos, já tinha lido todas as histórias do Sítio. E se um dia eu tiver filhos, tenho certeza que vou dar pra eles o mais precioso presente que já ganhei, ainda que eles não entendam isso de imediato.

* Gibis – Turma da Mônica

Poucas crianças tiveram a sorte de ter um pai que trabalhou na Editora Abril. Uma vez por mês eu ganhava uma caixa de gibis da Turma da Mônica. Hoje, tenho que assinar pra ler… Chuif. Me trancar no quarto e ler as histórias da turma era o melhor momento do mês.

* Banco Imobiliário

Tive muitos jogos, mas esse é mesmo o inesquecível. Nunca fui boa de matemática, nem pra lidar com o dinheiro, por isso não me lembro de ganhar uma partida do meu irmão ( que hoje é administrador e bancário ). Mas adorava passar horas e horas debruçada com os primos e amigos em cima desse e de outros tabuleiros. Delícia.

* Discos

Balão Mágico, Arca de Noé, Pirlimpimpim, Patotinha, Pluct Plact Zum, Saltimbancos… Que sorte tivemos nós, que escapamos do domínio das Xuxas da vida.

* Ferrorama

Era brinquedo de moleque. Meu pai comprou pro meu irmão, que odiou. Ele sempre foi chato. Então, brincávamos nós dois. Era uma delícia ficar olhando aqueles trenzinhos correr de um lado pro outro, tão rápidos e bonitos. Nunca mais vi… Será que ainda existe?

* Pistache e Farofinha

Essas foram as bonecas da minha infância. A Estrela lançou a coleção Sorvetinho, bonecos com um sorvetinho pendurado e com cabelos e roupa imitando um sabor, uma cor de sorvete. Eram cheirosinhos também. A Pistache era verdinha, vestido xadrez preto, chapeuzinho e cabelo marrom. Uma vez fui visitar minha vó no interior, me trouxeram dormindo e largaram a boneca lá. Chorei 3 dias seguidos, fiquei doente. Me deram outra, mas não adiantava. Acho que a boneca ganha o cheiro, o jeito da gente conforme vamos usando… E meu pai teve que viajar de novo pra buscar a boneca antes que eu morresse ou minha mãe matase ele. A Farofinha era fofa, tenho ela até hoje… Linda.

Os brinquedos e brincadeiras de uma criança são quase tudo que ela tem que é somente dela e de outras crianças. Sem eles, ela não aprende, não cresce, não se torna uma pessoa feliz. E infeliz também é a pessoa que não reaprende a brincar depois que cresce.

Se alguém aceitar o cumprimento, feliz dia das crianças pra vocês. E pra mim também… Pra criança que sou agora e pra criança que um dia fui. 🙂

EXPEDIENTE

* É notícia velha, porque estou mesmo super atarefada e sem tempo pra escrever e ler blog. Mas pra quem não sabe ainda, achei de suma importância colocar aqui que, recentemente, o blog Imprensa Marrom saiu do ar. A razão? Um comentário irritou alguém que entrou com uma ação. A justiça mandou retirar o blog do ar, assim, sem perguntar direito o que aconteceu. Inagaki explicou todo o polêmico acontecido em seu post do dia 30/09. O Imprensa Marrom voltou a funcionar. Mas essa história não cheirou nada, nada bem. Nada bem mesmo.

* Você conhece o Skype? Mesmo sabendo que qualquer coisa é melhor que a porcaria do msn, tenho que dizer que esse programa realmente é legal. Funciona assim: você baixa, se cadastra, procura os amigos, compra um microfone ( se já não tiver um ) e conversa com qualquer pessoa que estiver cadastrada em tempo real. Ele tem uma versão em português, e o som é perfeito, parece de telefone mesmo. E não tem interurbano. 🙂 Se alguém quiser tentar, meu nick lá é karicabral.

* Falando em programas porcarias, o Orkut está cada vez mais lento e difícil de mexer. O Estadão criou um esquema parecido, totalmente em português, chamado Link. Achei melhor que o tal Multiply. Pra quem já se cadastrou, estou lá como Karina Cabral. Quem quiser um convite, só mandar email.

* Eu já falei que logo logo teremos novidade por aqui? Já? Bem, aguardem… Pelo que eu sei, está ficando bom, muito bom. 🙂

* Por favor, se algum visitante frequente deste blog estiver tendo dificuldades para abrir a página ou mandar comentários… Avisem-me pra que eu possa aporrinhar meu amigo querido, consultor, companheiro de cinema e guru Marcelo pra dar um jeito nisso. Brigada.

* Olhando o contador aí do lado, percebo que estamos chegando perto do 25 000… Claro que teremos concurso! 🙂

Anúncios

33 comentários sobre “MEUS BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS

  1. oi Mafalda. Vc me fez voltar ao passado.Alguns brinquedos como a Susi era da minha época,mas existem muitos que conheci através do meu filho.
    Fiz um post pra ele.Ele faz aniversário hoje,Dia das Crianças e de Nossa Senhora Aaprecida.

    beijos

    Curtir

  2. Ando tão sumida dos blogs, Mafaldinha. Quando entro e vejo a quantidade de coisas boas que perdi dá a maior tristeza. Sabe, de todos os brinquedos que eu tive na infância, o que mais me marcou foi a boneca Beijoca da Estrela, mas o que eu tenho mais saudade é de todas as brincadeiras de rua. Tão bom ter passado a infância no interior e ter sido criada solta, sem os medos de hoje em dia. Beijos.

    Curtir

  3. Acabei de te pedir uma solicitação no Skype. O meu nick é armazemdeideiasideais.

    Outra: adorei seu “revival” anos 80. Estou fazendo uma pesquisa acerca de brinquedos, jogos e ícones em geral da criançada nos anos 80. Quando pronta publico lá no Escrever Por Escrever.

    Abraços!

    PS: Obrigado pela visita!

    Curtir

  4. A paixão pelos gibis eu carrego até hoje. E sempre peço várias revistinhas emprestadas a meus alunos. É o maior link que eu guardo com a época da infância, quando não somente lia, como decalcava as gravuras e escrevia para a editora com sugestões de novas histórias. Tinha especial predileção pelos do Chico Bento e da Luluzinha, que já não é mais distribuído. Beijos, e que a criança que há em você nunca lhe deixe crescer competamente…

    Curtir

  5. Miga, foi uma delícia ler seu post, me lembrou tta coisa boa…
    Mas vem cá, vc devia ser uma peste qdo era criança… Hahahahah. Mas olha só a beleza de pessoa que vc se tornou… é por isso que quero que o meu filho faça td isso e mto mais.

    bjo, te adoro.

    Curtir

  6. Lindinha, ler o seu post foi fazer uma viagem à minha mais tenra infância. A vitrola que virava malinha, para vc ter uma idéia, eu ganhei aos 4 anos, junto com os disquinhos coloridos. Foi um evento tão marcante que, talvez, seja o único de que me lembro daquela época… A minha Caloi Ceci era igualzinha a da figura. Também tinha a Susi. Me emociono ao lembrar do Balão Mágico. Enfim, identificação total com seu post. Beijoca, viu?

    Curtir

  7. Minha vitrolinha era azul, e até hoje me sinto um tanto triste quando me lembro dela..rs… Tivemos dificuldades financeiras enormes quando eu era pequeno, e meu pai teve que vender a minha vitrolinha, acredita? Lembro até hoje da tristeza que via no rosto dele… Mas fiquei com os compactos de histórias.. Tenho o Mágico de Oz até hoje;-)

    Curtir

  8. Ai como é bom lembrar da infância…

    Muito mais quando a gente não cresceu direito!

    Nem em tamanho, nem em chatisse.

    Se você quiser, me manda um e-mail com esse convite para “link”.

    O Orkut realmente anda insuportável!

    Obrigada!

    Adorei mesmo o post!

    Bjoux

    Curtir

  9. Esta poesia de Clarice Pacheco é para você:

    Meus brinquedos

    De repente,
    Ao lembrar dos brinquedos queridos
    Que ficaram esquecidos
    Dentro do armário.
    Me bate uma saudade,
    Me bate uma vontade
    De voltar no tempo,
    De voltar ao passado.
    Mas nada acontece
    Nada parece acontecer.
    E eu choro,
    Choro como o bebê que fui
    E a criança que quero voltar a ser.
    Não quero crescer!

    **Clarice Pacheco**

    Curtir

  10. Gostei muito , como e bom voltar no tempo.Gostaria que minhas filhas de 5 e 3 anos tivessem a oportunidade de brincar como em nossa epoca.Se vc tiver algum material para mim mandar ou vender gostaria muito de saber. POIS gosto muito de brincar com elas e podelas mostrar nossa infancia.

    Curtir

  11. eu tenho uma filha que tem 15 anos ela ta namorando com um rapaz ate gente boa maia falo para ela que ne epoca de estudar mais ela ama ele . Um dia falou que ia dormi na casa da amiga quando chegou esta com sitomas de gravidez .fomos ao medico e estava gravida foi uma tristeza na familia quando o namorado descubrio separou dela hoje o BB dela naseu e se chama Maria Clara hoje ela é muito felize com o BB,mais o BB é deviciente ,mas nao perdemos nassa alegria

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s