O FIM DA HISTÓRIA DA ESCOLA DE MADEIRINHA

esperança.jpg
Lembra da professora que nos contou sobre a história da escola de latinha, que virou madeirinha, etc e tal?
Então… Essa semana, ela escreveu esse email, que coloco aqui pra vocês saberem o final da história…

Fiquei contente em lê-lo… Espero que gostem também.

“Queridos amigos,

Este é um e-mail de agradecimento.

Há alguns meses, mandei a vocês um texto que escrevi contando a situação da EMEI onde eu trabalho. Contei que era uma escola de madeira, em situação caótica, e que a administração Serra nada estava fazendo para reverter o quadro triste e desesperançoso com o qual eu e minhas colegas nos deparávamos todos os dias. No email, eu pedia também que vocês divulgassem o que leram, mantendo em sigilo o meu nome.

Hoje, a situação da escola de madeira não é muito diferente do que era naquele tempo.
Continua cheia de poeira, animais nocivos, buracos, falta de segurança e blá blá blá.
Logo logo nos mudaremos para a escola nova, que rapidamente está sendo construída, embora ela não seja, nem de longe, a escola que precisávamos, com o espaço que precisávamos, do jeito que sonhamos. Mas algo muito importante aconteceu… E quero contar a vocês o que foi.

Naqueles dias, além de mim, as outras educadoras e as famílias das crianças se mobilizaram de diversas formas. Eu vi mães que quase nunca saíam de casa indo até a Câmara Municipal conversar com vereadores. Eu vi reuniões e reuniões de professores, diretoras, coordenadoras, vereadores, pais, mães, jornalistas e sindicalistas, todos juntos, para discutir sobre a educação lá mesmo, dentro das salas de madeira. Vi meus alunos ouvindo leituras de jornais e revistas falando sobre o assunto, e todos os outros alunos escrevendo reivindicações, e pedindo que seus direitos de estudantes e de pessoas fossem respeitados. Vi gente se inteirando sobre direitos de cidadania, sobre meios legais de ação, sobre política e sobre o funcionamento de uma escola. Vi um grupo de professores se descobrir mais unido do que nunca. Vi minha diretora, apaixonada e lutadora, indo até a coordenadoria dia sim e outro também para forçar uma comunicação. Vi minha coordenadora abrindo espaços de discussão para escrever e bolar manifestos, registros e outros documentos que vão resgatar a nossa história depois. Vi políticos bem intencionados fazendo seu trabalho e defendendo a nossa causa. Vi pessoas que jamais saberiam de uma situação como essa se informando e oferecendo apoio. E vi também uma escola de concreto ser levantada em tempo recorde. Vi crianças, seus pais, professoras e equipe pedagógica redescobrindo o valor de sua cidadania. E vi também todas essas pessoas recuperando a esperança porque se descobriram fortes e unidos. Tanto, que acabei vendo o poderoso prefeito de São Paulo indo visitar um local que, provavelmente, ele nem viesse saber que existia.

No dia da visita, foi montada toda uma parafernália de maquiagem. Arrumaram calçadas, tiraram lixo da rua, consertaram postes de luz, asfaltaram trechos de terra – tudo isso em poucos dias. A impressão era que queriam apenas fazer politicagem na frente das câmeras. Ele visitou as obras e depois quis ir embora, mas os pais insistiram e conseguiram que ele e o secretário da educação sentissem o drama. As mães agarraram o braço dele, se colocaram na frente dos carros da prefeitura e não deixaram que ele saísse antes de entrar na escola e conversar com elas. Tudo em paz e com educação. Foi muito lindo o ganho que nós todos tivemos. O prefeito fez muitas promessas naquele dia. Algumas cumpriu, outras não. Outras talvez ainda cumpra. Mas o fato é que o maior sucesso, a melhor coisa que aconteceu nesse caminho, não foi apenas a escola nova. Mas a descoberta de que é botando a boca no trombone que conseguiremos as coisas, que é não desistindo de brigar pelo que é justo que chegaremos a algum lugar. E isso fez de mim uma educadora muito mais feliz. Fez todo aquele inferno valer a pena.

Por isso tudo, quero agradecer muito a quem buzinou na orelha e nas caixas de e-mails de jornais, revistas, televisões e meios legais. Agradeço a quem encaminhou o texto para vereadores, deputados, ministérios; a quem encaminhou denúncias para o Ministério Público, para a Prefeitura, para a SME; a quem fez referência ou postou a denúncia em seus blogs. Quero agradecer também a quem encaminhou para os amigos, que encaminharam a outros amigos, e assim fizeram a nossa história ficar conhecida, aumentando a corrente. Mesmo a quem não pôde fazer nada, mas torceu e se indignou, eu também agradeço, em meu nome e em nome daquela comunidade escolar. Nesse caminho todo, até bons amigos eu ganhei. E agradeço a eles todo o carinho e atenção.

Acho que é isso que eu queria contar a vocês. Valeu a pena. MESMO. O que ganhamos com tudo isso, ninguém nunca vai tirar de nós. E se quiserem realmente saber o que é que eu quis dizer com isso tudo… Lembrem-se de não desistir de uma causa se ela realmente for justa. 🙂

Anúncios

11 comentários sobre “O FIM DA HISTÓRIA DA ESCOLA DE MADEIRINHA

  1. Deus abençoe esta professora abnegada, e Deus abençoe vc tb,e às pessoas que deram uma força na divulgação, pois vcs acreditam ainda na força da Verdade. “E conhecereis a Verdade, e a Verdade vos libertará”. Uma pena que o ensino público tenha sido relegado a um plano tão inferior, um estado lastimável. Mas ainda há esperança. Talvez eu não veja, mas sei que é possível mudar. Não com os discursos dos políticos, onde a teoria e a práxis estão separadas por um oceano. Mas no coração destas pessoas que lutam para transformar este lugar num país melhor, um País com P Maiúsculo, recuperando a dignidade onde ela deveria começar. Nas criancinhas. Deixai vir a ti os pequeninos. (Escrito em estado de Transe, possuído pelos vapores da Pitonisa da Verdade, guiado pelos erês…). “Saber é poder”, “só o conhecimento traz poder”. Que seja então dividido, compartilhado, e que não permaneça somente na mão dos descartáveis políticos de ocasião e as suas manipulações cosméticas. Será que o Serra deixaria uma filha sua estudar ou trabalhar numa escola dessas, em algum lugar do passado? Beijos, imensos, a vc e a essa professora anônima. Deus ajude e abençoe vcs. Beto.

    Curtir

  2. Miga, acho que agora vc já podia revelar que a profa é vc mesma… Acho que todo mundo que leu isso devia saber, só aumentaria ainda mais o carinho das pessoas por essa história. Não é a toa que tenho tto orgulho de vc. :)))))))))))))

    Bjo!

    Curtir

  3. Karina…parabéns a você e à professora que havia feito aquele apelo. Li aqui e passei para algumas pessoas, que ficaram estarrecidas. Chorei quando li aquilo, de tristeza e indignação. Agora ameacei chorar, mas de esperança num mundo mais mais decente, como bem disse o Inagaki.

    “Endurecer sem perder a ternura”…meio difícil isso às vezes, né? Mas há que tentar…

    Um beijo pra você, que já me fez rir e me emocionar em diversos textos!

    Curtir

  4. Estou absolutamente convicto de que, na maioria das circunstâncias, a insistência e a pressão são as armas que movem a roda para a frente. A urgência tem de ser demonstrada de sob todas as formas. Estou tão decepcionado com a atuação do governo que estou pela ação direta. Tua história é uma comprovação de que funciona. beijo.

    Curtir

  5. Isso é a prova vida de que só quando fizermos valer nosso direitos poderemos mudar alguma coisa nesse país. Não adianta só ter boas idéias, é preciso fazer como essa Professora e botar a boca no mundo, até que de um jeito ou de outro alguém nos escute ainda que a contra-gosto! É ótimo poder ler esse comentário e saber que ainda dá pea dar um jeito nesse país! Beijão Kari, e parabéns professora!

    Curtir

Deixe uma resposta para Mônica Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s