COMPANHIA

Eu adoro as palavras. Adoro. Adoro porque elas conseguem me ajudar a pensar quando estou só. Adoro porque, ao entendê-las, entendo o que sinto, e isso me dá muita paz.

Esses dias eu estava pensando na palavra “companhia”. Acho essa palavra tão sonora, tão bonita… Me sugere algo bom. Está no grupo de palavras como “carinho”, “poema”, “lua”, “conforto”, “sonho”. Uma palavra tão fofa que parece travesseiro.

E não é só da palavra que eu gosto… Eu gosto mesmo é de companhia. Sempre gostei. Companhia pra brincar, pra passear, pra ir resolver alguma coisa difícil, pra conversar, pra descansar. Ironia da vida ( ou não ), sempre acabei tendo que me virar sozinha na maioria das minhas empreitadas, grandes e pequenas. Mas sempre gostei de companhia. Vejo muita gente que, como eu, gosta de ter gente por perto. Muita gente que não consegue sequer cruzar o portão de casa sozinha. E, no entanto, todos reclamam de solidão.

Claro, tem a dor de SER só. Essa dor é inerente a nós. Por mais que tenhamos alguém por perto, somos um, somos sós, e isso é uma realidade. Desamparante… Mas é. Porém, além disso, tenho ouvido muitos reclamarem da dor de ESTAR só. E essa fala, de certa forma, faz eco em mim também. O eco se faz onde tem um buraco… Onde tem um vazio.

Aí estava pensando – por que às vezes tenho sentido falta de uma companhia se tem tanta gente perto de mim? Amigos, família, amores. Sempre estive cercada de gente. Mas, às vezes, quando a luz apaga no quarto, e chega aquela hora de rever o dia e pensar na vida, eu tenho a impressão de ter estado só o dia todo. Só nos meus sonhos. Só nos meus sucessos. Só nos problemas. Só nos meus planos e sonhos.

Fui olhar no dicionário. Acompanhar – do latim “accompaniare” – conjunto de pessoas que comem o pão juntamente. E aí me caiu a ficha. Estar junto não é acompanhar. Não basta estar do lado. Dar a mão. Não basta ouvir. Não basta presentear. Não basta dar bom dia. Não basta telefonar. Não basta perguntar se está tudo bem. Quem acompanha, tem que dividir. Dividir o pão… Aquilo que sustenta, aquilo que se come. Aquilo que é fundamental. E dividir é isso aí – eu pego o que é meu e dou um pouco pra você. Fico com menos, mas a sensação de ver você alimentado me alimenta também. E assim, ambos ficamos satisfeitos. Em outro dia, é você quem me dá um pouco, e eu recebo, porque naquele dia, eu não tenho. E assim vamos ficando unidos… Acompanhados.

Dividir é uma coisa difícil em um mundo que prega o egoísmo, a auto-satisfação, a superficialidade… O medo da entrega. É difícil dividir porque temos sido cada vez mais ensinados a achar que, o que damos ao outro, vai nos faltar. Sem perceber, vamos nos isolando e deixando faltar o que nos é mais essencial – o pão da alma. Dividir decisões, planos, ideais, coisas, atenções, tempo, angústias… Tudo isso é difícil. E com o tempo, torna-se difícil receber isso dos outros também.

Aí comecei a me lembrar… Eu já tive grandes companheiros. Grandes mesmo. Tinha o meu avô querido, que dividia comigo filosofias de vida. Tive minhas colegas de escola, que davam um pedaço do chocolate delas pra mim na hora do lanche. Tive minhas primas, que dividiam as bonecas e as camas delas comigo. Tive namorados que dividiram comigo o colo, o abraço, a pele, as emoções, as decisões.

Aí comecei a me lembrar também que eu já fui craque em me doar. Houve um tempo em que dava todo meu pão aos outros, achando que isso era companheirismo… E ficava com fome. Mas houve um tempo também em que eu sabia dividir mais. Dividia o melhor de mim com os outros, e recebia o que eles me davam. E acho que nesse tempo eu era mais feliz.

O bom da gente saber que algo vai errado é que sabemos que sempre há a chance de consertar, melhorar. Sempre. E isso nem sempre é fácil… Mas é tão bom… Tão bom quanto ter companhia.

Anúncios

DESISTENTES


Quando comecei a fazer Psicologia, eu queria muito entender a cabeça das pessoas. E uma das primeiras coisas que me ensinaram é que é da natureza do ser humano buscar o prazer e evitar a dor. Invariavelmente. Com o tempo, vamos achando a medida disso; nem tudo pode ser só prazer e nem toda a dor pode ser evitada – é o preço de viver em grupo com outros seres humanos. Mas, basicamente, o que foge da nossa natureza de querer estar bem é distorção. É anormal.

Depois de algum estudo, eu descobri que entender a cabeça de alguém ( inclusive a minha ) era impossível, mas descobri também que as pessoas, em geral, não costumam ser criativas quando o assunto é conduzir a própria vida, e acabam repetindo certos padrões – para o bem e para o mal. E, com relação ao sofrimento, muita gente acaba se acostumando a ele. Normalmente, as pessoas tendem a esquecer o gosto da felicidade muito facilmente quando expostas a momentos ruins. Tendem a normalizar as dores, e, passado algum tempo, esquecem completamente de que há sempre – SEMPRE – alternativas para a superação. Desenvolvem pânicos, depressões, síndromes, paranóias, estresses, somatizações e outros tipos de problemas que, no fundo, são sintomas evidentes de que algo não vai bem. E, não raro, preferem lidar com esses sintomas do que com a realidade que os causam.

É o que acontece, por exemplo, com mulheres espancadas pelos maridos, mas que não os denunciam e nem os deixam; com pessoas doentes que não procuram o médico; pessoas perturbadas que não buscam ajuda psicológica; com pessoas insatisfeitas com seu emprego, mas não mandam um currículo sequer para tentar outra coisa; com pessoas viciadas que não largam o vício; com amantes que não dão um basta na condição de ser a outra; com filhos que são reféns dos pais, e vice-versa; com pessoas que não conseguem dizer “não” aos abusos; com outras que não conseguem dizer sim a uma boa oportunidade. São pessoas que buscam o sofrimento, embora, muitas vezes, a solução seja extremamente simples. Pessoas que desistem. Simplesmente desistem de si mesmas e dos outros.

É uma força misteriosa essa que nos faz desistir. Ela vem devagar, sorrateira. Vai ganhando espaço aos poucos. É anti-natural. E, normalmente, invisível. Um desistente só percebe que desistiu quando já perdeu tudo que tinha – dinheiro, tempo, dignidade, saúde, talento, chances. E para alguém que já perdeu tudo, só resta continuar desistindo. E essa é a melhor receita para ser infeliz.

Alguém me disse uma vez que, salvo casos de extrema arbitrariedade e violência, não existem vítimas, e que as coisas andam exatamente do jeito que escolhemos que elas andem. Na época, achei um posicionamento radical e simplista. Caramba, nem sempre as coisas saem como planejamos. Somos constantemente surpreendidos pela vida, não há meios. E, para muita gente, não é possível sequer escolher porcaria nenhuma, porque as opções não existem.

Aí eu fui vivendo e vendo gente caída por todos os cantos, tentando olhar amorosamente para a dor dessas pessoas e aprendendo com elas; e por isso não as julgo – tento compreender. Mas vi também muita gente que com nada, ou quase nada, fez muito. Gente que foi humilhada, abusada, violentada; gente que não recebeu de graça absolutamente nada de ninguém; gente que nasceu com o selo de desistente na testa, mas o retirou brilhantemente. E aí penso que realmente não há vítimas – apenas motivações que levam as pessoas a deixarem pra lá essa coisa de viver decentemente.

Comecei a escrever esse post porque vi o resultado das pesquisas eleitorais. Fiquei pensando – por que raios as pessoas querem manter no poder alguém que comprovadamente roubou, corrompeu-se e corrompeu, manipulou, ofendeu e cuspiu simbolicamente no voto de milhões de brasileiros? Por que as pessoas estão desistindo desse jeito? Por que essa dormência? E aí pensei que a sociedade é só um espelho do que são as pessoas que a compõem. O buraco é mais embaixo – as pessoas estão, cada vez mais, desistindo. Os números das pesquisas apenas mostram uma maioria de pessoas desistentes. E isso é muito triste aos meus olhos.

Tudo diz que somos um lixo. O salário que ganhamos. A vida estressante que levamos. O que vemos na TV. Os padrões estéticos, éticos e econômicos. Os relacionamentos superficiais. Nós somos nada perto de um bandido nervoso com um celular no presídio; nada diante de um vírus ou uma bactéria. Nossa existência chega a ser ridícula. E vamos acreditando que não vale a pena pensar, não vale a pena fazer, não vale a pena argumentar, não vale a pena acreditar. Vamos acreditando que somos um lixo. E então, vamos desistindo.

Uma vez, conversei com uma pessoa que tinha assumidamente desistido de viver. Ela me disse: “o problema é que continuo a respirar”. Sim, seria fácil desistir se não fosse isso. Continuamos a respirar. E o tempo não pára. E a vida é tão curta. E há tanto a fazer.

Ultimamente – não sei se é a vida que anda mais dura, ou eu que estou mais sensível e sem paciência – tenho sentido que há muitos convites para a desistência em minha vida. As pessoas dizem, com atos ou palavras – desista. Desista, Karina, desista. Desista de ter um salário que seja justo com a nobreza e a importância da sua profissão, ninguém vai dar valor. Desista de tentar não se submeter às regras imbecis, as pessoas são medíocres. Desista de ser sincera, as pessoas querem ser enganadas. Desista de ser honesta, ninguém presta mesmo. Desista de querer amar e ser amada profundamente e intensamente pelas pessoas a quem você dá amor profundo e intenso, conforme-se com migalhas. Desista de tentar achar um candidato honesto, que mereça o seu voto, todo político é safado. Desista de querer fazer as coisas direito, ninguém reconhece o que é bom na gente, só o que é ruim. Desista de tentar conversar sobre o que você sente com os outros, você se expõe demais. Desista, deixe a vida te levar. Desista, não dê pérolas aos porcos, não invista em coisas demoradas, não sonhe tanto. Desista de querer tanta coisa. Desista. Desista. Desista. A vida é dura. Conforme-se. E espere a sua morte chegar.

É sábio desistir do que não tem jeito. Mas é mais sábio ainda continuar tentando se há uma pequena chance de dar certo.

E aí eu pensei que ninguém vai me fazer desistir de algo que eu não consigo. Eu só desisto daquilo que eu não quero mais. E talvez essa seja a minha maior qualidade… E o meu maior defeito.

Só sei que, hoje, eu precisava escrever esse post pra dizer pra mim mesma que eu não quero ser uma desistente. Não quero. É bom que essas coisas fiquem registradas. Bem registradas.