CONTO DE ANO NOVO

Uma vez escrevi esse conto para o Focando, a convite do queridíssimo Arquimimo Novaes. Agora, época de pensar no tempo que passou e no tempo que virá, lembrei dele e aí está.

Para 2010, não vou escrever cartas de intenções, nem textos que falem sobre os meus sonhos, ou o que eu espero da vida, não vou fazer listas e longas reflexões sobre minhas expectativas. Não tenho esperado nada e nem construído sonhos, é assim a minha vida nesse momento, um tanto amarga, é verdade… Mas pouco ansiosa. Falta-me esperança, sobra-me apatia.

Por isso, para 2010, apenas peço que a vida me surpreenda… Positivamente.

Feliz 2010 pra vocês, queridos e queridas!

CONTO DE ANO NOVO

Então era ele. Com suas longas barbas brancas, suas vestes brilhantes, seus olhos apertados. Fazia o seu trabalho, como sempre havia feito, momento a momento, sem falhar. Observava tudo e todos, desde sempre; e freqüentemente não gostava do que via. Às vezes pensava que tantas passagens e sua barba tão longa o haviam deixado mal humorado e ranzinza. Nada no mundo parecia agradar-lhe. Principalmente as pessoas.
As pessoas costumavam ignorá-lo no início de suas vidas, pensar que eram suas donas durante a mocidade e amaldiçoá-lo quando envelheciam, pensando nele cada vez mais, conforme se aproximavam da Morte. Achavam que era ele o culpado de tirar o viço e o encanto de tudo que amavam, inclusive delas mesmas. O Tempo sentia-se injustiçado. Não era verdade. As coisas e pessoas perdiam o encanto por si mesmas, e isso porque tinham uma insuportável mania de novidade. Ele mesmo não era novo, e nunca mais seria, e ainda assim era o Tempo, capaz de construir e destruir coisas e destinos apenas pelo fato de existir. Ninguém havia resistido a ele, nunca. As pessoas eram pouco sábias e volúveis, era o que ele achava. Ele, o grande incompreendido, era apenas implacável e eficiente, fazendo o que precisava fazer, brilhantemente e sem erros.
O Tempo, enquanto fazia o seu trabalho, divertia-se observando as pessoas e as maneiras que elas acharam para controlá-lo. Em todos os povos e culturas, desde que tinham começado a habitar o mundo, as pessoas, em algum momento, paravam para pensar nele. Ao longo dos anos, enquanto suas barbas cresceram e embranqueceram, ele riu dos instrumentos inúteis que criaram na tentativa de compreendê-lo, de retê-lo, de segurá-lo. Palavras, relógios, remédios, cirurgias plásticas, nada adiantava. Sem perceberem, as pessoas tornavam-se suas escravas, e ele, o senhor. Ele preferia as plantas e pedras, o céu e as estrelas, que não foram dotados de pensamento. As pessoas o questionavam demais. E o Tempo se irritava, pois nada podia fazer. De sua dor, ninguém se lembrava.
Sua velhice eterna lhe conferia poderes, mas também obrigações. Uma delas, a de ser sábio e imparcial. Não podia conceder benefícios, não podia ser emocional, não podia fazer nada que manchasse sua reputação de Tempo. Era ele quem tinha que ouvir os pedidos das pessoas que, inutilmente, rogavam que ele passasse mais lentamente, ou mais depressa, ou que durasse um pouco mais, ou que finalizasse logo. Não atendia a ninguém. Passava sempre do mesmo jeito, não importava a situação. E, enquanto passava, arrastava tudo com ele. Por isso, por toda essa força, desde o começo, coube ao Tempo a tarefa mais difícil de todas – girar o mundo em seu próprio eixo, sempre no mesmo ritmo.
O Tempo começou a aborrecer-se. E cansar-se. Aquela grande bola que era o mundo parecia pesada demais. Ele cansou de ouvir as pessoas, de ser odiado por elas. Ressentiu-se por elas não reconhecerem o seu valor, de não entenderem que, se ele lhes roubava o curto tempo da felicidade, também era por ele que o tempo da tristeza e da dor terminavam. Cansou-se do passar, da rotina, da sabedoria, de tudo. Já não aguentava mais ver as mesmas histórias, sempre do mesmo jeito – homens, plantas, estrelas, animais, todos nascendo, crescendo, vivendo, cometendo os mesmos velhos erros, e depois morrendo. Seus olhos apertaram-se ao olhar o firmamento, tal como ele, sempre igual. E o Tempo quis parar. E parou.
Enquanto parou, tudo parou com ele. Por alguns momentos, ouviu o silêncio universal e imemorial, e dormiu. Dormiu como há tempos queria fazer, e nunca tinha conseguido. Dormiu profundamente, sono acumulado, ruidoso, sono de velho, sono solitário como todos os sonos. E enquanto dormiu, o Tempo teve um sonho, o mais forte de todos os sonhos.
E o sonho era assim: ele, o Tempo, finalmente morria. Morria sem descendentes, já que nunca esteve apaixonado, nem teve filhos. E rapidamente a notícia se espalhou pelo universo. Por um tempo, todos ficaram chocados. Depois, alguns se sentiram felizes. O Tempo morto, não havia mais compromissos, nem passagens, nem correria, nem mortalidade. Mas, logo todos se sentiram órfãos. Sem o Tempo, nada andava, nada crescia, tudo parava, menos as pessoas e suas angústias.E, tristes, todos foram até o velório do Tempo, chorar por ele.
Em seu velório, todos se perguntavam quem seria capaz de girar o grande globo, e logo todos estavam desesperados, pois não havia ninguém tão forte, nem tão sábio, nem tão poderoso, nem tão imparcial quanto o Tempo para assumir o seu lugar. E foi então que acharam de perguntar, enfim, do que morrera o Tempo. Quem sabe, sabendo a razão de sua morte, poderiam ressuscitá-lo. Examinaram o Tempo, reviram-no, fizeram autópsias das mais diferentes naturezas. E nada encontraram, nenhuma mancha, nenhum sinal, nenhuma agressão ou esquisitice que configurasse a causa da morte do Tempo. Era fato – o Tempo morreu de velhice. Foi vencido pelo único que podia aniquilá-lo – ele mesmo.
Então, quando todos estavam desolados, chegou a Esperança. Ela, toda de negro, doente, triste, aproximou-se do Tempo, e chorou. Ela sempre fora apaixonada por ele, o amava profundamente em silêncio, ela, que era sempre jovem, bela e desejada…E agora, com a morte de seu amado, não tinha mais motivos para viver. E ali, ao lado do Tempo, começou a definhar.
Então Alguém decidiu que o Tempo merecia uma outra chance, pelo bem de todos. E ele foi tocado, e seu sopro de vida restaurado. O Tempo acordou só para dizer que não queria mais viver. Estava velho, e triste, e cansado, e agora era amante da Morte. Queria apenas ficar como estava. Os lamentos foram muitos, e altos, e ensurdecedores. Como o Tempo podia querer morrer? Não tinha esse direito. O impasse estava criado.
O mesmo Alguém voltou e fez uma proposta ao Tempo. Ele seria, de períodos em períodos, transformado em menino, e assim ganharia novo vigor e força para girar o mundo. E assim, seria novamente jovem, e depois maduro, e depois velho, e quando ele se sentisse novamente velho, voltaria a ser menino, para recomeçar o ciclo. Em troca, ele prometeria não deixar de fazer o seu trabalho, e ainda olhar para a dor e a felicidade das pessoas com olhos mais amorosos. O mesmo Alguém também prometeu que daria às pessoas a capacidade de contar o Tempo, e, assim, a oportunidade de pensar sobre ele com sabedoria e carinho. Daria também a algumas delas discernimento e juventude de alma, para que espalhassem aos outros, e assim, quem sabe, parariam de culpá-lo e sobrecarregá-lo sobre tudo que deixaram de fazer ou fizeram errado. Daria às pessoas a consciência e a liberdade de fazer seus dias felizes, e de recomeçarem, caso algo desse errado. Ao aceitar a proposta, o Tempo voltou a ser menino. E foi quando o Tempo acordou.
Acordou sentindo-se jovem. Desde então, as pessoas inventaram calendários, folhinhas, marcações, relógios, cronômetros. E inventaram o ano, porque algo mágico ocorria de períodos em períodos. O Tempo, quando via que as pessoas estavam cansadas e sobrecarregadas, aproveitava para dormir um pouco e sonhar novamente aquele sonho, acordando mais jovem na alma, até se cansar novamente e recomeçar. Junto com ele vinham todos os seres, que ficavam mais velhos, mas tinham a impressão de não estar. Para isso, pediu ajuda de Esperança, que ficou felicíssima. Há quem jure que eles passam juntos a noite da virada do ano fazendo amor apaixonadamente. O Tempo, hoje, é um senhor amável, sem deixar de ser imparcial, sábio e competente. E, apesar de girar o mundo sempre e sempre, desde que o Tempo sonhou com a sua morte e sua vida, dá a si mesmo e às pessoas a chance de recomeçar, a cada início de ano.

Anúncios

11 comentários sobre “CONTO DE ANO NOVO

  1. Primeirão! 😀
    Muito bom este conto!
    A respeito de como está se sentindo sobre este fim de ano… será que é um mal generalizado de autores de blog? Pensei em escrever algo sobre como eu ando da mesma maneira mas achei melhor não, não sei se por apatia ou por não querer piorá-la com reclamações. Mas o fato é que assim estou também. Mas aí está o “tio” tempo a nos revigorar os animos. Sempre dá pra recomeçar com cada levantar do sol. Isso me motiva a seguir em frente com um sorriso no rosto. 😀
    Abraços Mafalda!
    Feliz 2010 para todos nós e que nós encontremos cada vez mais força nesta caminhada.
    Abraços!
    Fique com Deus!

    Curtir

  2. Mas este tempo esta com cara de ser o fim de um ano, pois se notar, no inicio de um novinho em folha, depositamos as nossas esperanças de algo melhor…

    Mas te desejo um feliz ano novo, bem como, bem prospero.

    Fique com Deus, menina Karina.
    Um abraço.

    Curtir

  3. Acho que faz uns 9 ou 10 anos, eu estava assim, numa fase sem perspectivas de vida, e vc me disse, com toda a sua doçura, enquanto segurava forte a minha mão e olhávamos uma pintura linda no MAC… Pessoas como vc não deixam de sonhar… Apenas protegem os sonhos que tem, até de si mesmos, de tempos em tempos, para que eles fiquem mais fortes e se realizem… Pessoas como vc não deixam de desejar nunca.

    Devolvo a frase que um dia vc me deu de presente um dia, a vc mesma, esperando dias melhores… Esperando que 2010 será um ano novo pra vc, tão belo como esse conto maravilhoso que vc escreveu.

    Não me preocupo com sua fase apática, pois sei que gente como vc nunca perdem a capacidade de viver a vida apaixonadamente, intensamente, sabiamente… Alegremente.

    Férias… Vc pode vir aqui me ver e conhecer um lugar diferente, ou eu posso voltar até a minha caótica e querida Sampa, mas não me escapa, menina. :o)))))))))))))) Vamos nos encontrar e dar mta risada juntos!

    Feliz 2010! E muito AMOR na sua vida.

    Curtir

  4. Quer saber? a sabedoria de suas palavras, sejam de angústia ou de introspecção, revelam o sentimento puro do que é feita e jamais deixam de nos remeter a algo de bom que tem na vida, mesmo quando duras, mesmo quando singelas…

    Aprendi, com o ‘Tempo’ a esperar você ter o que me dizer, e como você acabou de dizer da sabedoria dele, nunca me arrependo com a longa espera.

    Adoro você, que esse ano seja sim, cheio de surpresas boas.

    Felicidades mil.

    Curtir

  5. Amiga linda, e doce, e inteligentíssimaaaaaa, e maravilhosa, e solidária, e atenciosa, e divertida, e espirituosa, e gostosona, e cheia de coisas boas pra ensinar, eu te desejo um 2010 de alegria, sim, que vc anda mto tristinha.
    Claro que a vida vai te surpreender, ainda vou ver vc contar mta coisa boa, pq, pra pessoas como vc, tudo ganha valor diferente.
    Quero te agradecer por todas as nossas risadas, os nossos choros, por ter cuidado do meu filho que te ama, por tudo que conversamos nas madrugadas de msn, por tudo de bom que aconteceu na nossa amizade, pelos passeios… Por tudo desse ano de 2009.
    E desejo tb que vc arrume um amor maravilhoso, do jeitinho que vc merece, pra gente ver vc flutuando por aí apaixonada.
    Eu te amo muito!
    Bjo, bjo, bjo.

    Curtir

  6. Não acho que 2009 foi tão ruim assim quanto você parece demonstrar. 2009 nos reaproximou. De uma maneira inesperada e com uma força surpreendente. Trouxe sentimentos que nem sabíamos que sentíamos. Trouxe de volta um sentimento perigoso, mas por outro lado maravilhoso: trouxe paixao.
    2010 certamente trará surpresas. Pra mim, pra você, pra nós dois. Também não espero nada, apenas vou deixar-me ser surpreendido.
    Já que não fará listas de pedidos, ou reflexôes, faz assim: feche os olhos e deixe as coisas acontecerem. 2010 será o melhor ano de sua vida, e eu não quero só estar perto. Farei parte.
    Te amo, peixinha.

    Curtir

  7. Oi, Karina…

    2009 foi um ano estranho pra mim. Muita coisa ótima aconteceu, mas algumas ruins, tristes e pesadas tbm me ocorreram. Aliás, isso nada tem de estranho, não é? Rsrs a vida é assim mesmo: cheia de surpresas, umas boas, outras que nos desnorteiam completamente…

    Mas sabe de uma coisa muito boa que me aconteceu? Você! Sei que não sabe, mas vc foi uma doce companhia em dias muito tristes e de profunda incompreensão para mim… Obrigada por se revelar e se revelando nos seus textos, deixar Deus falar tanto ao meu e a tantos corações que te admiram e amam pra valer!!!

    Bjs mil e que 2010 seja docemente surpreendente…
    Espero poder continuar por perto…

    Deus a abençoe, querida…

    Curtir

  8. sabe, ká… me incomoda um pouco o fato de certas pessoas insistirem em ficar te analisando… desculpe se me intrometo, pois cada um tem direito de dizer o que quiser e vc o veredicto de expor ou deletar o que os outros escrevem… hehehehe… mas deve ser mal do ser humano mesmo… ao invés de olhar pra dentro, fazer o caminho inverso… ai ai… eu não consigo ver um negócio e ficar quieta… hehehehe… adoro o que vc tem a dizer porque me identifico e vejo outras pessoas, mas nada dessa de ficar te analisando… credo… nada a ver!

    beijosss

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s