ESCRITOS DE CASAMENTO IV – OS VOTOS

Tenho pensado muito se pessoas imperfeitas podem fazer promessas. Que direito temos, em nossa tão limitada humanidade, diante de tantas variáveis do tempo, diante daqueles 50% que não dependem de nós, diante de tanta coisa que pode mudar, de prometer alguma coisa a alguém? Como posso prometer amar alguém para sempre?

Mas, como aprendi nesse tempo de preparação para o casamento, não é o amor que sustenta uma aliança… E sim o compromisso que fazemos que sustenta o amor. Amar é uma decisão renovada todos os dias, em nossa disposição de fazer o outro feliz… Em nossa fé… Em nossa abertura para renúncia, sem deixar nossa dignidade pra trás… Em nosso eterno aprendizado de entregar-se e salvar-se ao mesmo tempo… Em nossa consciência de que sempre haverá outras tantas possibilidades, mas estarmos juntos foi a nossa escolha.

Os votos são os mesmos para todos… Amar, respeitar e ser fiel – na saúde e na doença, na alegria e na tristeza, na riqueza e na pobreza, até que a morte nos separe. Hoje, em meu coração, esses são os meus desejos mais profundos.

Mas tem um monte de outros votos que gostaria de fazer… Que mais do que compromissos, são intenções… Desejos.

Que tenhamos prazer em comer juntos, em cozinhar juntos. Que cada panela, cada prato, e cada copo esteja sempre cheio de saúde e carinho, e que não falte um tempero diferente, mesmo no arrozfeijão do dia a dia.

Que nossa cama seja boa para dormir depois de termos cansado bastante nos enroscando. Que nunca nos sintamos obrigados a fazer sexo, que ele nunca seja para cumprir protocolos ou funções, e sim por fome, por desejo, por loucura. Que sejamos criativos. E que nunca usemos o sexo para manipular um ao outro, e sim para brincarmos, seduzirmos, renovarmos no corpo a paixão que está na alma.

Que nunca percamos esse gosto maravilhoso pelas coisas simples. Que continuemos gostando do papo, dos livros, das palavras, da música, e de tudo aquilo que nos alimenta e nos afina. Que tenhamos olhos para enxergar a beleza do cotidiano.

Que saibamos deixar da porta pra fora qualquer tipo de influência ruim. Que saibamos identificar aqueles que nos querem bem e diferenciá-los de quem finge querer bem. Que o nosso futuro a ser construído não nos deixe lembrar do passado, mas se mesmo assim lembrarmos, que seja para comemorar o que hoje é tão diferente de antes, e tão bom, e tão perfeito.

Que não anulemos um ao outro com manias, com falta de comunicação, com imposições. Que seguremos o ímpeto de brigar por bobagens, que saibamos defender as questões que realmente importam. Que deixemos pra lá o que não vai fazer diferença em pouco tempo. Que não usemos um ao outro como lata de lixo. Que tenhamos cautela, cuidado com as palavras. Que não deixemos que a intimidade acabe com o encanto. Que não usemos o que descobrirmos um do outro como armas na hora da raiva.

Que as ilusões sejam docemente vencidas pela realidade… Que possamos ver um ao outro como somos, e não como gostaríamos que fosse.

Que não percamos essa mania deliciosa de conversar, e que também saibamos respeitar os momentos de silêncio um do outro. Que nossa casa tenha sempre espaço para ficarmos juntos… E também para ficarmos sozinhos, se precisarmos.
Que nossa despensa esteja sempre cheia, pelo fruto do nosso trabalho. Que possamos dividir as contas, o trabalho da casa, os aborrecimentos, e os problemas com o mesmo entusiasmo com que dividimos os sucessos e alegrias. Que não nos falte a calma para lidar com os momentos ruins um do outro. Que os valores que nos guiam estejam sempre claros e fortes.

Que saibamos rir muito. Rir um do outro. Rir um com o outro. Rir do feijão queimado, da roupa manchada, do prato que quebrou, da coisa que ficou fora do lugar, da mania esquisita, do escorregão. E que isso tudo só nos deixe ainda mais apaixonados.

Que nossa mesa esteja sempre cheia de amigos. Amigos, muitos amigos. Amigos da família, do trabalho, da igreja, dos estudos, da rua, da infância, da juventude, os que já estão, os que voltarem, e os que vierem. Que eles gostem de vir nos ver… E que possamos recebê-los com alegria e fartura.

Que Deus esteja sempre presente em nosso lar. Para nos ensinar o que não sabemos, para multiplicar os pães e os peixes, para consolar, para nos mostrar o que está escondido, para proteger os nossos bens e as nossas vidas.

Que saibamos manter nossos segredos. E que o amor seja repleto em gestos e palavras… Por vontade, e por esforço.

E vamos lá, que a vida é linda… Por causa do amor.

 

Anúncios

2 comentários sobre “ESCRITOS DE CASAMENTO IV – OS VOTOS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s