UM PEDAÇO DE BOLO

Hoje eu passaria na Sodiê e compraria um pedaço de bolo pra gente comemorar. Mês passado você me disse que compraria um bolo bem casado, cheio de doce de leite, porque o nosso casamento era muito doce, e a gente tinha casado bem, mesmo. Eu concordei com você. E a gente passaria a tarde toda namorando, falando bobagem, dando risada e cochilando, na maior preguiça. E eu diria pra você, puxa, o nosso casamento é tão novinho, mas parece que faz tanto tempo… 3 meses que valeram 3 décadas. Tenho certeza que você concordaria comigo.

Ou talvez hoje você teria estado comigo e com a minha família, ou teríamos estado com a sua, ou quem sabe a gente faria um almoço bacana aqui em casa chamando as duas famílias e alguns amigos, pra esse povo partilhar da nossa felicidade. E eu ficaria cansada e você feliz e radiante como andava ultimamente, e a gente se sentiria daquele jeito realizado, e você daria risada com as minhas atrapalhações, e com o meu bico pra esse horário de verão que eu odeio.

Hoje você deixaria um bilhete na porta da geladeira, aqueles bilhetes com aqueles apelidos carinhosos que você vivia deixando espalhados pra mim por aí, seus bilhetes legais e apaixonados. E eu pegaria o bilhete e pensaria, puxa, não acredito que isso está acontecendo… É bom demais pra ser verdade. Acho que era mesmo.

Hoje a gente sonharia um pouco mais, como andávamos fazendo, com o nosso filho ou nossa filha, com a nossa casa, e talvez a gente tivesse se inscrito em um cursinho bacana de iniciação literária, ou você já tivesse começado a faculdade… Aquela que nem deu tempo de você saber que passou. A gente gostava de sonhar. E eu gostava do seu jeito, tão confiante, dizendo que ia dar certo, e ia sim, e pronto, já tinha dado certo. Eu gostava de você resolvendo todas as minhas angústias com um beijo, um agarrão,  e uma apertada no nariz.

Talvez a gente já tivesse brigado alguma vez, talvez outra coisa ruim tivesse acontecido, talvez uma coisa muito legal tivesse acontecido, mas de um jeito ou de outro, a gente estaria junto.

Eu levo a vida, sim, você sabe que eu levo… Se tem uma coisa que eu sou é uma pessoa que dá conta do recado, o que de maneira nenhuma é uma vantagem, mas é assim que é. E se a vida decidiu que eu tinha que continuar aqui, viva e sozinha, então é assim que vai ser. Aprendi que “não discuto com o destino, o que pintar, eu assino”, e acabou. Eu vou continuar trabalhando, estudando, cuidando das pessoas, convivendo, sorrindo o dia, chorando a noite… E o resto vai passar. “Tristeza não tem fim, felicidade sim.” Eu deveria ter ouvido o poeta.

Eu teria muito pra falar, mas ultimamente tudo que eu quero é solidão e silêncio. Só. Não me interessam o telefone, nem os lugares para passear, nem as notícias cada vez mais absurdas, nem as providências, nem os planos, nem as lembranças. Por gratidão, tento corresponder ao carinho das pessoas que se importam… E espero. Espero a vida dar sua volta mais uma vez.

Hoje, na verdade, eu não comprei um pedaço de bolo. Porque, meu bem, a vida não tem mais aquele gostinho doce que você deixava em mim. Não era o bolo que era tão bom… Mas era comê-lo com você que fazia sentido.

Sim, estou apática, raivosa, desesperançosa e descrente. Mas mesmo isso acaba. É só esperar.

“O que foi feito, amigo, de tudo que a gente sonhou
O que foi feito da vida, o que foi feito do amor?
Quisera encontrar aquele verso menino que escrevi há tantos anos atrás
Falo assim sem saudade, falo assim por saber
Se muito vale o já feito, mais vale o que será
E o que foi feito é preciso conhecer para melhor prosseguir
Falo assim sem tristeza, falo por acreditar
Que é cobrando o que fomos que nós iremos crescer
Outros outubros virão
Outras manhãs, plenas de sol e de luz…”

Anúncios

6 comentários sobre “UM PEDAÇO DE BOLO

  1. Minha querida amiga, escute o que eu digo: se me contassem uma história assim sobre qualquer outra pessoa que conheço, qualquer outra, eu me preocuparia. Mas você é a pessoa mais incrível que conheço. Vai superar mais essa, e vai achar um jeito de tirar lições incríveis de tudo isso, e o melhor, vai ensiná-las a nós. Aliás, já está fazendo isso de um jeito surpreendente. Tenho certeza que no tempo que estiveram juntos seu marido foi o homem mais feliz do mundo. Não te procurei para não te incomodar… Mas saiba que pode contar comigo sempre, todo dia, toda hora, é só chamar. Um beijo…

    Curtir

  2. Ká, eu chorei. Neste post eu senti mais do que em todos os outros o peso da sua dor.
    Não tenho coragem de dizer “não fica assim, amiga, vai passar…” mas é só isso que eu desejo! Que a desesperança passe, que a”a vida dê sua volta” e que você “renasça”. Amo muuuuuuuito você… e me sinto tão ridiculamente impotente, que às vezes me afasto. Mas não te esqueço um só dia…
    Beijo enorme, e um abraço bem apertado, na pessoa que tem o abraço mais gostoso que jpa dei!

    Curtir

  3. Amiga…
    Continuo de longe, pensamento em vc…
    Pedindo a DEUS que a conforte…
    E hoje resolvi passar no blog, e vejo que está transformando sua dor em palavras, elaborando…
    Fica difícil conter as lágrimas… Sinta meu abraço. Amo vc, Karina…
    Fique com Deus…

    Curtir

  4. Oi, Karina!
    Não sei o que te dizer, acho que todas as palavras serão vagas perto do luto que está sentindo. Às vezes queremos que o tempo passe logo, para que a dor passe também. Às vezes queremos voltar no tempo, quando essa dor ainda não existia. Mas a verdade é que precisa viver esse tempo e chorar para que a angústia não se instale. O que me resta é desejar que você tenha forças sempre!!
    Beijus,

    Curtir

  5. Karina, como é possível sentir uma dor e um carinho tão grande por alguém que não se conhece? Há muitos anos acompanho seu blog, ele é aquela doce e grata surpresa (apesar de já esperar algo belo e profundo) durante o dia. Mas ontem, depois de algum tempo sem ler, tive outra surpresa, dessa vez não grata, não doce, e não escrevi ontem mesmo, porque estava em choque. Não é possível medir o sofrimento do outro (nem as alegrias), mas a medida da minha dor me permite tentar imaginar a sua. Não preciso dizer aqui que vou rezar pra você superar e suportar esse momento, porque é seu amor que vai fazer isso por você. O seu amor que faz bem até pra quem não conhece você, mas ler seus textos. Um amor tão grande que não cabe apenas em você, em sua família, em seu bairro, em seu trabalho, ele se espalha pelo mundo através de sua escrita. Obrigada pelo que você fez e nem sabe, eu de cá vou ficar rezando para que nenhum sofrimento te destrua, que como a fênix, você renasça das cinzas, mais bela e forte. Força querida, que Deus esteja sempre ao teu lado.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s