OS 15 PARCEIROS DO AMOR – AMOR E LIBERDADE

passaros_voar_dois-1-750x410-1

Queridos noivinhos…

Cada casal tem um jeito de ser casal, e isso é porque vocês são únicos no mundo. Há casais mais juntos, outros mais largados um do outro, casais que se alimentam de briga, outros precisam de paz, casais ciumentos, casais descolados… Não importa. O amor tem personalidade, como já conversamos.

Mas, diferenças à parte, o que faz um casal ser casal é apenas estarem juntos. No entanto, noivinhos, é importante lembrar: o amor nunca foi e nunca será uma prisão, para nenhum de vocês. O verdadeiro amor liberta, e gosta de ver o outro livre.

É difícil lidar com nossa natureza humana, que deseja sempre o poder. Quando damos a alguém a chance de nos amar, damos também a essa pessoa um certo poder sobre nós. É aí que muitas histórias de amor viram verdadeiros horrores. Sentimentos como inveja, ciúme, controle, posse, egoísmo estão em nós e eventualmente vão aparecer. Mas essas coisas ruins, alimentadas com o poder de manipulação do sentimento do outro, podem tomar proporções catastróficas e destruir tudo de bom que vocês estão se esforçando em construir. Então, queridos noivinhos, saibam dominar em vocês esse desejo de submeter o outro, de curvá-lo, de dominá-lo, de calá-lo. Por amor, e só por amor… Entendam que é importante valorizar a liberdade de cada um ser quem é, fazer o que quiser, e que os acordos são acordos… Nunca imposições. Que, ao olharem um pro outro, vocês tenham certeza que o outro está ali porque quer, e não porque teve as asas cortadas.

Parece óbvio e parece fácil, mas não é. Não é, e como está na Bíblia, a convivência entre duas pessoas é ferro afiando ferro, no choque, na faísca, no atrito. Se o outro tem o poder de nos engrandecer, nos valorizar, e nos fazer voar… Também é justamente esse contato tão íntimo que dá ao outro o conhecimento do que mais nos dói, de onde apertar para nos derrubar, do que dizer para nos quebrar e nos destruir. Esse espelho da relação – que mostra o que temos de melhor, mas também o que temos de pior – nem sempre é fácil de suportar. É grande a tentação de querer dominar o outro pela força quando as coisas ficam difíceis ( força física, força emocional ). E, para garantir a liberdade do outro… Precisamos ter em nós muita vigilância, além do nosso próprio desejo de querer voar. Precisamos ser sós para poder ser dois em um.

Aceitem, queridos noivinhos, aceitem que às vezes o outro vai querer navegar longe de você um pouco. Confiem um no outro o suficiente pra isso, e quando voltar… Vocês terão tanto a dividir e compartilhar. Tenham projetos juntos, mas também cuidem dos seus projetos pessoais. Tenham muitos momentos a dois, mas também tenham o seu momento de serem um só, e voem para onde for preciso. E lembrem-se das palavras dos poetas:

“Liberdade, essa palavra, que o sonho humano alimenta… Uma coisa que ninguém explica, mas não há quem não entenda.”

Cecília Meireles

“Amar é ter um pássaro pousado no dedo. E quem tem um pássaro pousado no dedo sabe que, a qualquer momento, ele pode querer voar.”

Rubem Alves

Até a próxima!

 

OS 15 PARCEIROS DO AMOR – AMOR E FÉ

rene2bmagritte2b25e2258025932bla2bclairvoyance

Queridos novinhos…

Haverá períodos em que apenas a realidade objetiva não será suficiente; nem a boa vontade, nem a paixão, nem os amigos e a família, nem mesmo a esperança. É por isso que relacionamos o casamento àquele juramento meio demodê, mas muito profundo, que os noivos fazem no altar: o de prometer estar junto na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, na alegria e na tristeza. É que o amor, na pobreza, na tristeza, na doença, nos períodos de chuva, de ódio, de terremoto… Precisa da fé como parceira.

A imagem do quadro do Magritte é muito interessante. Olhando para o ovo, ele pinta o pássaro. Pra mim, fé tem muito a ver com isso – do pouco, esperar o muito; da evidência, enxergar a concretização; do início, ver o meio, e por tudo isso… Seguir adiante. A fé depende de que tenhamos esse desejo e essa abertura, de crer no que ainda não existe, e por isso, achar que os períodos ruins passarão, e os períodos bons perdurarão, e o que ainda não nasceu vai nascer e mudar tudo.

A fé é importante em um lar, porque, ao contrário do que se poderia pensar, muitas vezes, não é o amor que sustenta o vínculo, e sim o vínculo que sustenta o amor – e para isso, é preciso fé. Quando o amor falha, e quando todos esses parceiros que o circundam vão embora, então… É hora da fé. A fé, como bem disse o apóstolo Paulo, “é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se vêem” ( Hebreus 11:1 ). Tenham fé nesse amor tão lindo que estão construindo.

A fé o que vocês vão precisar nos dias em que faltar dinheiro e sobrar trabalho. Nos dias em que se sentirem sozinhos e abandonados um do outro. No dia em que houver decepção. Nos dias em que parecer que tudo deu errado. Quando estiverem doentes. Quando aquilo que vocês tanto queriam e esperavam não aconteceu. Nos dias em que estiverem sem nada… Esses são os dias em que a fé virá. A fé, que é o que dá sentido ao vazio.

Fé no amor de vocês dois…

Fé no outro, na outra…

Fé em si mesmo…

Fé no Criador, que é todo amor…

Fé no passado, que relembra a identidade de vocês como casal…

Fé no futuro, que é sempre uma página em branco, onde tudo pode ser escrito…

Fé nas promessas que fizeram, apostando na totalidade do outro…

Fé que tudo vai dar certo, mesmo quando tudo estiver errado.

Usem da fé, orem juntos, aprendam juntos, estendam a mão para quando o outro cair, façam desse fundamento o calçado de vocês para a caminhada, mesmo que pareça loucura… E preparem-se para ver o milagre acontecer.

Lembrem-se, queridos noivinhos – o oposto da fé não é a dúvida… E sim o medo. Acreditem, e vocês conseguirão andar sobre qualquer mar juntos.

Até a próxima!

 

OS 15 PARCEIROS DO AMOR – AMOR E MUDANÇA

 

Queridos noivinhos…

1-uoob2i7eiedwosvdpiz3q

Queridos noivinhos…

O amor é natural. É quente como o fogo, é profundo como a água, é leve como o vento, é fértil como a terra. E como tudo que é natural, é feito de ciclos. É como as fases da lua, é como o balanço das marés, é como a força das estações, é como o Sol, como as plantas, como cada dia que clareia e depois escurece. Em cada semente, está uma perspectiva de crescimento. Em cada auge, está um declínio. Em cada poda, está um novo florescimento. Em cada morte, está um recomeço.

É duro pensar que tudo muda. Especialmente quando estamos felizes e tranquilos. Queremos evitar a impermanência da vida e nos esforçamos para negar a quebra dos nossos sonhos de perfeição. Nada resiste intacto ao tempo. Como dizia a linda poetisa, “mesmo as pedras, com o tempo, mudam“. E se é assim, queridos noivinhos… Há de se esperar que o amor de vocês, do jeito como ele é hoje, por melhor e mais gostoso que seja… Um dia vai acabar.

Mas aí está um grande segredo, que os teimosos, os imaturos, os iludidos não podem entender. Se não podemos contra o tempo e contra algumas mortes que fazem parte da vida… Precisamos aceitá-los e trazê-los para o nosso abrigo. Aceitar as mudanças do tempo e algumas mortes evita que tenhamos que finalizar definitivamente uma relação. Encarem as pequenas mortes do processo de amor de vocês como o fim momentâneo de um ciclo, e o começo de outro. Entendam as mudanças do amor e vocês terão uma grande chance de ser felizes por muito, muito tempo juntos.

Aceitem que vocês mudarão sozinhos, individualmente, e mudarão também como casal. Não há problemas nisso. A mudança é boa, é positiva, ela renova. Claro, existem também mudanças ruins. Mas até essas trazem vigor para o relacionamento, se soubermos lidar com elas. Quando tudo mudar, mudem também, e nisso está a verdadeira permanência do que vocês realmente precisam.

A escritora e terapeuta Clarissa Pinkola Estés conta uma história do povo inuit, a mulher esqueleto, e faz uma brilhante análise da relação de amor entre duas pessoas ( a história está aqui ). Ela diz que não precisamos ter medo das mudanças, e sim desejá-las, pois em cada declínio de uma fase está um novo começo. E esse renovo garante a vida do amor. Creiam nisso.

Sendo assim, queridos noivinhos, sejam sábios… E aceitem as mudanças. Aprendam a esperar; aprendam a compreender; aprendam a deixar ir; aprendam a receber. Aceitem as fases de seca do relacionamento da mesma forma que aceitam as flores e frutos. Aceitem o frio do mesmo jeito que gostam do calor. Aceitem que o outro muda, e deixem-se mudar também. A mudança do outro vai fazer com que vocês tenham vontade de progredir, de reconhecer aquela nova pessoa, e de reapaixonar-se. Reapaixonar-se é preciso, e que lindo que é isso: a outra pessoa, ao viver experiências legais, vai mudar e vai fazer com que você também vá junto, tornando-se alguém melhor.

E, para terminar, apenas um lembrete: embora muita coisa mude, há a essência, que permanece. Cuidem também dessa essência, não deixem que se contamine. A essência do amor de vocês, o desejo de cuidar e acompanhar um ao outro, a disposição para amar… Essa, vocês podem guardar. Ela é o alicerce onde tudo será construído.

Que o amor de vocês dure para sempre, guardando a capacidade de mudar e renovar. ❤

 

OS 15 PARCEIROS DO AMOR – AMOR E INTIMIDADE

p000013105

Queridos noivinhos…

Intimidade é sobre saber o outro. Ser especialista no outro. Prevê-lo, e ao mesmo tempo encantar-se em saber que o outro não é óbvio. Intimidade depende de disponibilidade emocional, de atenção para o outro e de tempo. E é uma delícia. Afinal, quem não gostaria da ideia de saber que tem alguém que te olha tanto, te ouve tanto, convive tanto com você, pra quem você é tão importante… Que te sabe toda? Ah, é tão gostoso.

Cada casal que vai construindo sua história constrói também seus códigos. As coisas que só vocês dois sabem. Aquele combinado, aquele olhar, aquela história que só vocês dois entendem. Aquele detalhe, aquela coisinha, aquela gracinha, aquela piada interna que é só de vocês, aquele juramento que vocês dois fizeram, aquela coisa que de tão forte é tão suave. É tão lindo! Guardem a intimidade de vocês pra vocês, queridos noivinhos. É tão bom ter segredos com quem a gente ama… Escolham bem como, quando, com quem e quanto partilhá-la.

Eu amo ver crescer a intimidade que tenho com meu marido. Gosto disso de verdade. Gosto de saber que só eu sei algumas coisas dele, e só ele sabe algumas coisas de mim. Gosto de me deixar conhecer. Gosto de perceber que estou certa e que ele vai olhar daquele jeito, falar aquela coisa, reagir daquela forma. E gosto quando ele me surpreende também, quando ele muda e me dá a tarefa de reconhece-lo, de novo, e de novo, e de novo. Gosto de ver que ele também me conhece cada vez mais, e aceita minhas mudanças.

Tem uma canção que fala dessa grande dança que é a vida a dois. No começo, a gente não se acerta bem nos passos. Não entende o jeito do outro. Mas depois, vai aprendendo. E fica assim… Só sabendo dançar com aquela pessoa, por mais atrapalhado e desajeitado que a gente seja.

Gosto de poder ser eu mesma perto do meu amor, porque sei que ele vai entender. Gosto de não precisar esconder coisas, e mesmo quando eu tento, gosto quando ele me quebra e me desvenda. Gosto quando ele percebe que não estou bem, que eu preciso de alguma coisa, quando ele me aponta algo sobre mim que nem eu mesma sabia.

E eu gosto também dessas coisas da intimidade que nos fazem humanos. Gosto de poder me largar e dormir tranquila do lado dele. Gosto de acordar toda amassada, dolorida, zoada, e ainda assim saber que ele vai me achar linda, como acho ele lindo quando acorda. Gosto de ouvir a voz dele e sentir aquela familiaridade intensa. Gosto de reparar nas mudanças do corpo dele, de saber quantos pelos brancos estão nascendo no peito, de saber das pintinhas nas costas dele, gosto de poder tocar o corpo dele com respeito e com liberdade, gosto de ser ousada, e ver que ele me acolhe e confia em mim.

E quando pinta algo esquisito… Quando vejo algo que eu não queria, quando ele mostra um detalhe que eu preferia não saber, quando ele relaxa o suficiente pra baixar a guarda e me mostrar que não é perfeito… Eu também gosto. Porque mostra que ele está inteirinho comigo.

Ah, os cheiros, sabores, delícias e presepadas da intimidade…

Isso só significa que a gente se ama. E é por isso que eu gosto.

Que vocês sempre estejam assim, confortáveis, seguros, reais e felizes perto um do outro. Que vocês saibam abraçar a humanidade em vocês e tenham muitos segredos lindos de casal pra guardar. Que guardem, sim, a individualidade de vocês, mas que tenham prazer em partilhar partes dela desse jeito tão profundo que só o casamento traz.

Sejam íntimos e felizes, por decisão e por convivência, noivinhos lindos. Assim, o lar de vocês sempre será um porto seguro onde vocês poderão ser vocês mesmos, e onde poderão descansar desse mundo tão complicado…

Até a próxima.

 

OS 15 PARCEIROS DO AMOR – AMOR E CORAGEM

penhasco-noivo-noiva-trash-the-dress

Queridos noivinhos…

Em um mundo tão excessivamente egóico e cheio de obrigação de felicidade, é um ato tão lindo de coragem amar…

Então, queridos noivinhos…Que vocês sigam tendo coragem de continuar amando.

Quando tiverem dúvidas sobre o sentimento do outro, que vocês tenham a coragem de perguntar sobre o que está angustiando vocês, e encarar a resposta com sabedoria.

Quando um de vocês achar que tem a posse do outro, ou se sentir oprimido pelo outro, que tenham a coragem de interromper esse vício com firmeza, e esclareçam que o amor não se trata de poder ou posse, e sim de doação.

Quando estiverem acomodados, que tenham a coragem de fazer escolhas diferentes e assumir seus riscos.

Quando outras pessoas exigirem a atenção e o carinho de vocês excessivamente, que vocês tenham a coragem de impor equilíbrio e se lembrem de cuidar um do outro, lembrem que são um casal.

Quando estiverem entediados, que tenham a coragem de reinventar o cotidiano, sem preguiça nem descaso.

Quando sentirem que não estão dentro dos padrões que os outros esperam de vocês, tenham coragem de assumir quem são, o que são um para o outro e se bastem.

Quando o dia a dia de vocês estiver poluído de tarefas, preocupações desnecessárias, coisas que estão tirando o foco de vocês um do outro… Tenham coragem de limpar o tempo e deixar só o que aproxima vocês dois.

Quando um de vocês sentir que está sendo insuportável para o outro conviver com você, tenham coragem de investir no processo de autoconhecimento de vocês para não colocar sobre os ombros do outro essa tarefa que é só de vocês.

Quando vocês fizerem alguma besteira que sabiam que não deveriam estar fazendo, tenham coragem de voltar atrás, admitir e pedir perdão. E que tenham também coragem de passar por cima do próprio orgulho pra perdoar.

Quando pessoas maldosas, infelizes ou invejosas chegarem perto do lar de vocês, que vocês tenham coragem de colocá-las para longe, que não se deixem contaminar.

Quando perceberem que o outro está abusando de vocês, que tenham coragem de colocar os limites e cobrar o que precisa ser cobrado.

Quando virem que o relacionamento de vocês está fraquejando, tenham coragem de levantar e virar o jogo.

Quando virem que o outro evoluiu e mudou, que vocês tenham coragem de sair de seu lugar tranquilo e ir atrás, mudando também.

Quando não estiverem bem, que tenham coragem de pedir ajuda.

Quando tiverem medo de falar o que sentem ou pensam pro outro, que tenham coragem de se expor. Que tenham coragem de se abrir, de se mostrar, de se escancarar.

Quando tudo estiver bem, que tenham coragem de aceitar as boas fases da vida e descansar, sem medo, preparando-se e guardando força para outros tempos, pois tudo muda.

Que vocês sigam tendo a nobreza de coração e espírito que só a coragem de amar será capaz de ir moldando no caráter de vocês.

Até a próxima!

0S 15 PARCEIROS DO AMOR – AMOR E CONSCIÊNCIA

tumblr_n8bg6zuigp1sthf15o1_640

Queridos noivinhos…

Muitos poetas, artistas, filósofos e cientistas descrevem o amor como algo mágico, fenomenal, uma espécie de ilusão doentia a qual nos submetemos por variadas e intensas razões. Muitos deles são pessimistas em dizer que o amor romântico não é uma realidade possível.

As pessoas fatalistas dizem que o amor sempre acaba, e pra muitos e muitas, essa é uma verdade. É só olhar, vocês devem conhecer inúmeros casos, deve ter acontecido com vocês. Aquele amor que parecia forte, indestrutível, eterno, de repente se esvazia e morre. O amor com prazo de validade ( prazo, esse, cada vez mais curto ) é algo que não podemos negar. Mas tem gente que supera isso, e vive um amor a vida inteira. Gente que renova o amor antes que ele morra, e o faz renascer. Gente que dá certo. Qual é o segredo deles, delas? O que faz e vai fazer um amor durar pra fazer vocês, e tal qual o desejado final dos contos de fadas, serem felizes para sempre juntos? A resposta é rápida, mas difícil de concretizar. Para um amor durar, não podemos deixar de convidar a consciência para a vida a dois. Consciência, verdade, realidade… Coisas que nos fazem pegar nossos sonhos e colocar neles os alicerces que precisam para ficarem de pé, e resistirem às tempestades da vida, antes que desmoronem. Os sonhos de amor são lindos, precisamos deles. Mas os alicerces são necessários, e precisamos nos esforçar pra construí-los enquanto temos força.

Para escrever esse texto, recorri aos manuais. Peguei o livro de Stendhal, escrito lá em 1820, “Do Amor”, em que ele diz que, para amar, precisamos cristalizar o outro, colocar sobre ele, ela um véu que esconda seus defeitos, para que esse outro nos pareça sempre perfeito e admirável. Fui também consultar Ovídio, que escrevia desde o ano 10 a.C., e poeticamente contou em seu livro “A Arte de Amar” o delicioso e delicado jogo da sedução. Se amar é um sentimento, também é uma habilidade, e ele nos ensina muito sobre ela em meio aos seus conselhos um tanto antiquados, mas cheios de sabedoria. Para ele, o amor que dura é aquele em que há a preocupação consciente de seduzir o outro todo o tempo – nunca há jogo ganho. Fui também reler “A Arte de Amar” do psicanalista Erich Fromm, dos anos 50, em que ele defende que nenhum amor se sustenta apenas na emoção; é preciso, como toda arte, esforço, técnica e reflexão. E reli também um dos meus contos favoritos, “A Bela e a Fera”, talvez o único que fale realmente de amor, segundo o psicanalista Bruno Bettelheim, em seu polêmico “A Psicanálise dos Contos de Fadas”.

Bruno diz que, para entender o amor de verdade, precisamos antes conviver com o lado fera, o lado bestial do outro. Aprender a enxergar seus defeitos, suportá-los, conviver com eles, e apesar deles, construir uma vida a dois; aí sim, o príncipe e a princesa aparecem. O amor bom é aquele que nos transforma no mais bonito que podemos ser.

Para amar alguém, é importante que idealizemos algumas coisas. É importante que deixemos pra lá algumas coisas que nos irritam, que relevemos, que perdoemos, que justifiquemos até mesmo o injustificável. Todos temos coisas tristes, arrogantes, medíocres em nós, e o olhar generoso do outro nos perdoa e nos levanta. Mas não para sempre. E aí está o ponto em que muitos amores se esvaem… De repente, tiramos o véu, deixamos de admirar, e a consciência das coisas nos alcança de uma vez. Muitas vezes é bem aí que o amor vira outro sentimento, ódio, descaso, e até indiferença. O veneno que mata o amor está tanto na resistência em mudar a nós mesmos quanto na desistência de investir no outro.

Mas com vocês, noivinhos, vai ser diferente. Vocês vão usar a cabeça pra fazer o amor de vocês dar certo. Vão ter paciência de corrigir o outro com carinho, e também de acolher a reclamação do outro e mudar, quando for necessário. Vocês serão generosos no perdão das bobagens que todos fazemos, e acharão saídas criativas para os problemas. Vocês vão respeitar os combinados que fizerem, sejam eles quais forem. Serão leais e fiéis ao que combinarem. Vocês vão respeitar um ao outro, não vão usar o que sabem, a intimidade de vocês, como arma para atacar o outro no momento de raiva e fragilidade. Vão aprender, todos os dias, o jeito melhor de se expressar; não vão, como disse o poeta, deixar de dizer o que incomoda, “prender o choro e aguar o bom do amor”. Ah, queridos noivinhos, vocês serão mais espertos e vão usar a consciência a favor de vocês.

Vou propor um exercício, e espero que vocês o façam. Peguem um papel, cada um de vocês dois. Escrevam 5 defeitos que enxergam um no outro, coisas que irritam vocês. Não mostrem, apenas escrevam, dobrem e lacrem esse papel, e guardem juntos em um lugar especial. Daqui um tempo, quando estiverem bem cansados, tristes um com outro, em uma grande crise… Abram esse papel juntos e olhem. Vocês verão que estarão brigando e decepcionados por coisas que sabiam desde o início. O que muda é a decisão de continuar amando.

Que a cada crise, a cada noite escura, a cada revelação do lado ruim de cada um de vocês, vocês se lembrem dessa decisão de amar apesar de tudo. Que o amor de vocês seja profundamente consciente da humanidade, limitação e carências de cada um, e do outro, e que vocês, por isso mesmo, por se amarem… Se melhorem todos os dias, como um presente para o outro.

Ouçam a canção, leiam o poema… E que sempre, sempre haja amor e consciência pra recomeçar.

Até a próxima!