OS 15 PARCEIROS DO AMOR – AMOR E MUDANÇA

 

Queridos noivinhos…

1-uoob2i7eiedwosvdpiz3q

Queridos noivinhos…

O amor é natural. É quente como o fogo, é profundo como a água, é leve como o vento, é fértil como a terra. E como tudo que é natural, é feito de ciclos. É como as fases da lua, é como o balanço das marés, é como a força das estações, é como o Sol, como as plantas, como cada dia que clareia e depois escurece. Em cada semente, está uma perspectiva de crescimento. Em cada auge, está um declínio. Em cada poda, está um novo florescimento. Em cada morte, está um recomeço.

É duro pensar que tudo muda. Especialmente quando estamos felizes e tranquilos. Queremos evitar a impermanência da vida e nos esforçamos para negar a quebra dos nossos sonhos de perfeição. Nada resiste intacto ao tempo. Como dizia a linda poetisa, “mesmo as pedras, com o tempo, mudam“. E se é assim, queridos noivinhos… Há de se esperar que o amor de vocês, do jeito como ele é hoje, por melhor e mais gostoso que seja… Um dia vai acabar.

Mas aí está um grande segredo, que os teimosos, os imaturos, os iludidos não podem entender. Se não podemos contra o tempo e contra algumas mortes que fazem parte da vida… Precisamos aceitá-los e trazê-los para o nosso abrigo. Aceitar as mudanças do tempo e algumas mortes evita que tenhamos que finalizar definitivamente uma relação. Encarem as pequenas mortes do processo de amor de vocês como o fim momentâneo de um ciclo, e o começo de outro. Entendam as mudanças do amor e vocês terão uma grande chance de ser felizes por muito, muito tempo juntos.

Aceitem que vocês mudarão sozinhos, individualmente, e mudarão também como casal. Não há problemas nisso. A mudança é boa, é positiva, ela renova. Claro, existem também mudanças ruins. Mas até essas trazem vigor para o relacionamento, se soubermos lidar com elas. Quando tudo mudar, mudem também, e nisso está a verdadeira permanência do que vocês realmente precisam.

A escritora e terapeuta Clarissa Pinkola Estés conta uma história do povo inuit, a mulher esqueleto, e faz uma brilhante análise da relação de amor entre duas pessoas ( a história está aqui ). Ela diz que não precisamos ter medo das mudanças, e sim desejá-las, pois em cada declínio de uma fase está um novo começo. E esse renovo garante a vida do amor. Creiam nisso.

Sendo assim, queridos noivinhos, sejam sábios… E aceitem as mudanças. Aprendam a esperar; aprendam a compreender; aprendam a deixar ir; aprendam a receber. Aceitem as fases de seca do relacionamento da mesma forma que aceitam as flores e frutos. Aceitem o frio do mesmo jeito que gostam do calor. Aceitem que o outro muda, e deixem-se mudar também. A mudança do outro vai fazer com que vocês tenham vontade de progredir, de reconhecer aquela nova pessoa, e de reapaixonar-se. Reapaixonar-se é preciso, e que lindo que é isso: a outra pessoa, ao viver experiências legais, vai mudar e vai fazer com que você também vá junto, tornando-se alguém melhor.

E, para terminar, apenas um lembrete: embora muita coisa mude, há a essência, que permanece. Cuidem também dessa essência, não deixem que se contamine. A essência do amor de vocês, o desejo de cuidar e acompanhar um ao outro, a disposição para amar… Essa, vocês podem guardar. Ela é o alicerce onde tudo será construído.

Que o amor de vocês dure para sempre, guardando a capacidade de mudar e renovar. ❤

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s